PUBLICIDADE
Topo

Política

De Bangu, Eduardo Cunha diz que Janot é psicopata e homicida

31.mai.2019 - O ex-deputado Eduardo Cunha (MDB) deixa o IML no centro do Rio após exame de corpo de delito - Wilton Junior/Estadão Conteúdo
31.mai.2019 - O ex-deputado Eduardo Cunha (MDB) deixa o IML no centro do Rio após exame de corpo de delito Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Fausto Macedo

São Paulo

28/09/2019 15h36

Após manifestação de sua defesa, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, comentou as afirmações do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot. Em nota para rebater alegações do livro de Janot, Cunha disse que o ex-PGR é "um psicopata e homicida que não merece respeito".

Na nota escrita em Bangu 8, onde está atualmente detido, Eduardo Cunha diz que Janot teria "ódio pessoal" e teria divulgado "falsas acusações". Cunha ainda diz que é vítima de 'perseguição' comandada pelo ex-PGR.

Na publicação que o ex-procurador-geral pretende lançar em outubro —o livro "Nada Menos que Tudo", escrito em colaboração com os jornalistas Jailton de Carvalho e Guilherme Evelin— Janot diz que foi o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ), preso pela Lava Jato, o responsável pela invasão de sua casa em Brasília, em 2015.

Nesta quinta-feira (26), o antecessor de Raquel Dodge disse à reportagem que, no momento mais tenso de sua passagem pelo cargo, chegou a ir armado para uma sessão do STF com a intenção de matar a tiros o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes.

O ex-presidente da Câmara indicou que tanto as afirmações sobre a invasão de sua casa, quanto a tratativa de homicídio do ministro do Supremo, são "absurdas".

Os advogados de Eduardo Cunha já haviam divulgado nota sobre as declarações de Janot. A defesa considerou as falas do ex-PGR "esquizofrênicas" e "irresponsáveis" e argumentaram: "As ilegalidades praticadas contra Eduardo Cunha, à época que ele (Janot) conduziu com o fígado o Ministério Público Federal, violavam princípios básicos como a impessoalidade".

Eduardo Cunha foi preso em outubro de 2016 após um pedido de prisão preventiva acatado pelo então juiz Sergio Moro. Em março de 2017, o ex-presidente da Câmara foi condenado a 15 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão fraudulenta de divisas, em ação na qual é acusado de receber uma propina de 1,3 milhão de francos suíços, fruto da compra de um campo de petróleo na África pela Petrobras. Ele também é réu em outras ações penais.

Temer também reagiu

O ex-presidente Michel Temer também reagiu a citações que o ex-procurador-geral da República faz no livro de memórias "Nada menos que tudo". Em nota divulgada nesta sexta-feira (27), Temer diz que Rodrigo Janot, "além de mentiroso contumaz e desmemoriado, revela-se um insano homicida-suicida".

Política