PUBLICIDADE
Topo

'Não tenho a resposta nem para mim mesmo', diz Huck sobre candidatura em 2022

O apresentador Luciano Huck - Felipe Rau/Estadão Conteúdo
O apresentador Luciano Huck Imagem: Felipe Rau/Estadão Conteúdo

Em Davos e São Paulo

24/01/2020 07h20

O apresentador Luciano Huck foi questionado ontem, em um almoço-painel no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, a respeito de uma futura candidatura à Presidência da República e não refutou a possibilidade. Enrolou, falou de Amazônia, que não tinha nada a ver com a pergunta, mas acabou concluindo, para risos da plateia que acompanhava a palestra: "Sua pergunta é muito difícil. Não tenho a resposta nem para mim mesmo", afirmou.

Mais do que não negar a possibilidade, Huck deu justificativas de por que pode acabar trilhando este caminho.

Para o apresentador, há "muitas maneiras" de se engajar nas mudanças que o país precisa e "entrar para a política é uma delas", afirmou. Mas também listou outras iniciativas que poderiam ser tomadas, como fomentar, inclusive por meio de financiamento, a qualificação de novos talentos da política - algo que já faz, por meio da parceria com os movimentos de renovação, que, por sua vez, são vistos como a plataforma inicial, anterior inclusive aos partidos, para seu lançamento na política.

"Todas as decisões que tomamos na vida são políticas", afirmou o apresentador, que está circulando em Davos com a barba, branca, crescida.

O "lançamento" da candidatura foi feito por Raiam Pinto dos Santos, que estava na audiência do almoço-painel, se apresentou como empreendedor e quis saber que garantias Huck daria de que seu projeto é para valer.

Aceitação

Para o presidente do Cidadania, Roberto Freire, uma das figuras do meio político com quem Huck tem conversado - e que estimula que a possibilidade de o nome do apresentador estar nas urnas se concretize -, a participação em Davos teve dois propósitos: primeiro, ajudar a tirar algum preconceito que possa existir com o fato de Huck ser um apresentador de TV. "Ele vem mostrar capacidade" e conhecimento das questões do País. Em segundo lugar, segundo Freire, as falas de Huck demonstram que ele "está admitido a possibilidade" de efetivamente entrar na disputa de 2022.

Huck, que é ligado aos movimentos de renovação política RenovaBR e Agora!, já vinha declarando que é preciso "restaurar" as lideranças políticas nacionais. Em janeiro, ele havia publicado um artigo com a defesa dessa ideia no site do próprio Fórum Econômico Mundial.

Ele também já fez críticas à condução das políticas ambientais no país sob o governo Jair Bolsonaro e, na semana passada, foi um dos que criticaram o vídeo com citações nazistas do então secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, antes de o presidente decidir demiti-lo.

O apresentador tem se aproximado de políticos como Freire, o ex-governador do Espírito Santo Paulo Hartung e mantido diálogos com o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

A movimentação já fez ele ser alvo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que disse que Huck "não representa a centro-esquerda", mas sim "a TV Globo". Já o deputado Marco Feliciano (sem partido-SP), aliado da família Bolsonaro, o chamou de "comunista" na semana passada.

Na quarta-feira (22), Huck já havia gravado um vídeo e publicado em suas redes sociais, em que apresentou o Fórum Econômico Mundial. "É um daqueles eventos para tentar fazer o mundo um lugar mais igualitário, mais justo, e para repensar um pouco os fundamentos do capitalismo", disse o apresentador.

"Como estou numa fase da vida que quero aprender, onde fazer pergunta é mais legal do que saber resposta, eu estou aqui", completou. Ao explicar o evento, ele disse que o encontro não era "uma seita secreta para definir os rumos do mundo." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ouça o podcast Baixo Clero com análises políticas de blogueiros do UOL.

Os podcasts do UOL estão disponíveis no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Política