PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Protesto contra gestão da pandemia abre 100 covas rasas em Copacabana

Daniela Amorim

Rio

11/06/2020 09h33

A praia de Copacabana, na zona sul do Rio, foi palco de um protesto na manhã de hoje contra a condução da pandemia do novo coronavírus pelo governo federal. A ONG Rio de Paz organizou a abertura de 100 covas rasas nas areias da praia, simbolizando as mortes pela covid-19 no Brasil.

O Brasil já tem quase 40 mil mortes pelo coronavírus. O total de infectados já passa de 775 mil, segundo dados coletados pelo consórcio de imprensa com informações de secretarias estaduais de saúde.

Os organizadores do protesto argumentam que houve uma "sucessão de erros" cometidos pelo governo federal na condução da crise sanitária e pedem mudanças na postura do presidente Jair Bolsonaro em suas manifestações sobre o isolamento social, sobre as mortes provocadas pela doença e sua participação em atos antidemocráticos.

Segundo o presidente do Rio de Paz, Antônio Carlos Costa, se não houver mudança de rumo na condução da crise, o Brasil será o país com o maior número de mortos pela covid-19.

O Brasil chegou ontem a um total de 775.184 pessoas infectadas pelo novo coronavírus e 39.797 mortes oficiais causadas pela covid-19 desde o início da pandemia, revelou levantamento feito por um consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte. Segundo as secretarias estaduais de saúde, nas últimas 24 horas o país inteiro registrou 33.100 diagnósticos e 1.300 óbitos.

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Coronavírus