PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

Alesp e Câmara Municipal avançam para abrir CPI da Prevent Senior

Imagem de arquivo de unidade de um hospital da Prevent Senior em São Paulo; na Câmara Municipal, a CPI deve ser instalada amanhã - Amanda Perobelli/Reuters
Imagem de arquivo de unidade de um hospital da Prevent Senior em São Paulo; na Câmara Municipal, a CPI deve ser instalada amanhã Imagem: Amanda Perobelli/Reuters

Luiz Vassallo e Roberta Vassallo

Em São Paulo

05/10/2021 07h55

A Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) deu ontem mais um passo para abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que vai investigar supostos crimes da Prevent Senior em meio à pandemia da covid-19. Em uma reunião fechada, líderes dos partidos decidiram marcar para amanhã a votação do regime de urgência na tramitação do pedido de abertura da CPI, que pode acelerar o andamento da pauta. Por sua vez, a Câmara Municipal definiu integrantes de sua comissão deve instalar a sua CPI da Prevent Senior na quinta.

Assim como na CPI da Covid no Senado, na Alesp parlamentares bolsonaristas se articulam para obstruir a criação do colegiado, mas, como estão em minoria, a estratégia não deve surtir efeito. Usualmente, a abertura de CPI dependeria da análise de duas comissões da Casa, além da votação em plenário. Com a aprovação do regime de urgência, a análise das comissões será unificada em uma única sessão.

Comissão

Após a aprovação, caberá aos líderes das legendas a indicação, em até 15 dias, dos integrantes da comissão. Como mostrou o Estadão, PT e PSDB se uniram em torno da criação do colegiado. Autor do projeto de criação da CPI, o deputado petista Paulo Fiorilo deve assumir a presidência ou a relatoria do colegiado.

Na reunião ontem, bolsonaristas anteciparam que vão tentar obstruir a votação. No entanto, parlamentares do governo e da oposição acreditam que a estratégia não deve prosperar. "Eles têm uma tese que a gente discorda, de apoio a procedimentos que não foram reconhecidos pela ciência e que para a gente não faz sentido, e que foram adotados por esse hospital que pode ter colocado em risco muita gente", disse ao Estadão o líder do governo na Casa, Vinícius Camarinha, do PSB.

O presidente da Alesp, Carlão Pignatari (PSDB), disse nas redes sociais que não vai "permitir que a CPI seja usada como palco político por nenhum partido".

Vereadores

Na Câmara Municipal, a CPI deve ser instalada amanhã. Presidido pelo vereador Antonio Donato (PT), autor do requerimento de abertura, o colegiado já teve os cinco membros titulares definidos.

Segundo Donato, os trabalhos, que devem ter o roteiro definido na quinta, partirão de questões municipais, como a regularidade de prédios da operadora e informações da Secretaria Municipal de Saúde sobre a notificação de óbitos de pacientes por covid-19 pela rede. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Política