Após mediação do Papa, Mercosul analisará crise na Venezuela

SÃO PAULO, 25 OUT (ANSA) - O presidente do Uruguai, Tabaré Vásquez, disse que o Mercosul se reunirá nos próximos dias para discutir a aplicação da cláusula democrática contra a Venezuela, que passa por uma grave crise política e econômica.   

O anúncio foi feito em Buenos Aires, após uma reunião com o mandatário da Argentina, Mauricio Macri, que afirmou que Caracas não pode continuar fazendo parte do bloco se seguir do mesmo jeito.   

A cláusula democrática estabelece que a plena vigência das instituições democráticas é "condição essencial" para a integração dos países do mercado comum e pode levar à suspensão da Venezuela.   

A crise no país se agravou no fim da semana passada, quando o Conselho Nacional Eleitoral (CNE), fiel ao presidente Nicolás Maduro, suspendeu o processo de coleta de assinaturas para um referendo revogatório de seu mandato.   

Em seguida, o Congresso, controlado pela oposição, aprovou um texto que acusa o mandatário de promover um "golpe de Estado" junto com os poderes Judiciário e Eleitoral. A piora da situação aumentou a preocupação não apenas no Mercosul e nos países da região, mas também no Vaticano.   

Na última segunda-feira (24), Maduro foi recebido pelo papa Francisco para uma audiência privada e, pouco depois, um diplomata da Santa Sé, monsenhor Emir Paul Tscherrig, anunciou que governo e oposição iniciariam um processo de diálogo em 30 de outubro.   

No entanto, a informação foi negada por adversários de Maduro, a começar pelo candidato derrotado à Presidência Henrique Capriles, que acusou o mandatário de "usar a boa fé" do Pontífice para esconder a crise na Venezuela. Anteriormente, a Mesa de Unidade Democrática (MUD), de oposição, havia pedido formalmente a mediação do Vaticano para encerrar as turbulências no país.   

Contudo, se o diálogo realmente acontecer, não será a primeira crise na região que a Igreja ajuda a resolver. Seguindo diretrizes do papa Francisco, a Santa Sé participou ativamente das negociações para a reaproximação entre Cuba e Estados Unidos e para o acordo de paz entre Bogotá e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).   

Em ambos os casos havia uma disposição para conversar que não parece existir entre Maduro e a oposição venezuelana. A situação no país latino é tema recorrente dos pronunciamentos de Jorge Bergoglio, que vem cobrando mais diálogo para resolver a situação na Venezuela. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos