Trump contratará 15 mil agentes para atuar contra imigrantes

NOVA YORK, 21 FEV (ANSA) - O governo de Donald Trump irá contratar 15 mil novos agentes para atuar contra a imigração ilegal nas fronteiras e na busca aos ilegais que estejam no país, informou o secretário de Segurança Nacional, John Kelly, nesta terça-feira (21).   

Os novos contratos serão divididos entre duas agências, sendo que 10 mil serão empregados no Serviço de Imigração e Controle de Aduanas (ICE) e outros cinco mil para o Escritório de Aduanas e Fronteiras (CBP).   

"É de interesse nacional dos Estados Unidos prevenir crimes e organizações criminosas que desestabilizam a segurança na fronteira", escreveu Kelly em um dos memorandos divulgados pelo Departamento de Estado.   

Segundo Kelly, foram autorizadas mudanças para a expulsão de estrangeiros do país. Até o momento, só os que eram condenados por crimes graves eram deportados rapidamente. A partir da implantação das novas ordens, aqueles que cometerem algum crime - grave ou não - e ainda não foram julgados, podem ser expulsos, bem como qualquer pessoa que ofereça "risco público à segurança ou à segurança nacional".   

No entanto, o secretário afirmou que a medida não pretende fazer uma "deportação em massa", como analistas norte-americanos estavam prevendo, e que a ordem ainda demorará um certo tempo para que tudo sejam implantado.   

Apesar das novas restrições, a medida não atingirá os chamados "dreamers", os imigrantes ilegais que chegaram aos EUA ainda quando eram menores de idade. O chamado "Deferred Action for Childooh Arrivals", criado no governo de Barack Obama, manterá a proteção aos jovens e a "blindagem" contra a deportação deles.   

Além disso, há um texto que fala sobre o impulso às obras de construção de um muro na fronteira com o México, onde os republicanos informaram que continuarão trabalhando ao lado de Trump para conseguir fundos para financiar a obra.   

As medidas fazem parte de um conjunto de novas ordens executivas que Trump quer impor contra os imigrantes, para cumprir uma de suas promessas de campanha.   

Atualmente, a Justiça suspendeu um dos primeiros atos feitos pelo republicano à frente da Presidência, onde ele impedia a entrada de estrangeiros de sete países - de maioria muçulmana - no país e proibia o acolhimento de refugiados de qualquer nacionalidade.   

- Imigrantes demitidos: Dezenas de imigrantes perderam seu trabalho nos Estados Unidos por terem participado do movimento "Dia sem Imigrantes", realizado na última quinta-feira (16) por todo o país, informa a mídia dos EUA.   

A ideia da ação era mostrar o quanto os estrangeiros são importantes para a economia norte-americana e a falta que eles fariam se fossem impedidos de entrar em território dos EUA.   

Em algumas cidades, como Nova York e São Francisco, muitos proprietários de lojas, restaurantes e demais empresas de serviços pararam junto com seus funcionários para demonstrar a importância deles. No entanto, várias marcas demitiram aqueles que não foram trabalhar.   

"Não toleramos violações mesmo que sejam funcionários. Se 21 pessoas não comparecem, a nossa produção é seriamente afetada", disse Steve Deese, que possui uma empresa em Carolina do Norte e que demitiu seus empregados. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos