Itália descobre moléculas contra envelhecimento celular

MILÃO, 27 FEV (ANSA) - Um grupo de pesquisadores do centro de pesquisas IFom de Milão conseguiu individualizar uma classe de moléculas para bloquear os sinais que levam ao envelhecimento celular causado pela deterioração dos telômeros, sequências de DNA localizados nas extremidades dos cromossomos e que têm como objetivo de manter o material genético da estrutura íntegro.   

O estudo, que foi comandado pelo cientista italiano Fabrizio d'Adda e publicado nesta segunda-feira (27) na revista científica "Nature Communications", oferece as bases para no futuro poder intervir no envelhecimento celular de algumas doenças causadas devido à deterioração dos telômeros, como a cirrose hepática, a fibrose pulmonar, o diabetes, a catarata, a osteoporose, a artrite e outras patologias mais raras, como a progênia, caracterizada por um envelhecimento precoce.   

De acordo com os estudiosos, é fisiológico que nos cromossomos, corpúsculos presentes no núcleo das células dos organismo vivos e que são em parte responsáveis pela transmissão da informação genética, os telômeros se encurtem cada vez que o DNA da célula se replica para se reproduzir ou que se danifiquem com o tempo, mesmo sem a divisão.   

Esse encurtamento e o dano aos telômeros constituem, portanto, em uma ameaça à estabilidade do nosso DNA e as células reagem a isso ativando um "alarme molecular" que bloqueia proliferações da célula danificada, induzindo um tipo de envelhecimento celular.   

As células senescentes, que passam pelo processo de envelhecimento, perdem para sempre a sua capacidade de se reproduzir e de desempenhar eficientemente as suas funções, e isso impede que o tecido se regenere.   

Uma pesquisa conduzida também pela Ifom, mas publicada em 2012 pela revista "Nature", já havia individualizado pela primeira vez o DDRNA (DNA Damage Response RNA), moléculas responsáveis pelo papel de "guardiãs" do DNA. Seriam elas que intervêm todas as vezes que se encontra um dano no DNA e que "dispararam o alarme" para proteger a integridade do genoma, favorecendo a senescência.   

"Observamos que os telômeros quando estão curtos ou danificados podem se introduzir para a formação do DDRNA e assim ativar o alarme e a consequente senescência da célula", explica d'Adda.   

A pesquisa publicada nesta segunda fornece a resposta de como desligar esses alarmes para prevenir a senescência das células.   

Em particular, o grupo italiano desenvolveu uma nova bateria de moléculas que agem na extremidade dos cromossomos, "especialmente nos telômeros, inibindo a função dos DDRNA teloméricos", disse a co-autora da publicação, Francesca Rossielo.   

Próximo desafio que o time de Ifom enfrentará será o de entender como as novas moléculas podem ser úteis para prevenir o envelhecimento celular em todas as patologias associadas aos danos dos telômeros. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos