Itália prende somali acusado de torturar imigrantes

ROMA, 27 JUN (ANSA) - Um somali de 23 anos foi preso em Lampedusa acusado de torturar e estuprar imigrantes antes de embarcarem na Líbia rumo ao Mediterrâneo, informaram as autoridades italianas nesta terça-feira (27).   

O homem teria cometido o crime em uma zona agrícola chamada Huderyfã, na cidade de Al Kufra. Ele é suspeito de pertencer a uma organização criminosa transnacional dedicada ao tráfico de pessoas, sequestro, violência sexual, homicídio qualificado e imigração ilegal.   

A ordem de prisão foi emitida pelo Departamento Distrital Antimáfia (DDA) de Palermo após denúncia de que alguns imigrantes apanhavam com mangueiras de borrachas e eram ameaçados com armas.   

As investigações foram iniciadas em 27 de maio, dia do desembarque do somali em Lampedusa. "Na minha chegada, Mohamed, o somali, batia em imigantes. Ele gostava de nos humilhar e fazer com que sentíssemos sua superioridade", relembra uma testemunha.   

Segundo as autoridades, o homem ameaçava suas vítimas para que não fosse denunciado à polícia italiana. Após ser detido, ele foi levado à prisão de Agrigento, na região da Sicília. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos