Morre Pino Pelosi, único condenado pela morte de Pasolini

ROMA, 20 JUL (ANSA) - Morreu na noite da última quarta-feira (19), aos 58 anos, Giuseppe "Pino" Pelosi, o único condenado pelo assassinato do cineasta e escritor italiano Pier Paolo Pasolini, ocorrido em 1975.   

Pelosi sofria de uma doença não divulgada havia muito tempo e estava internado em um hospital de Roma. Ex-garoto de programa, ele foi sentenciado em abril de 1976 a nove anos e sete meses de cadeia pelo homicídio de Pasolini, cujo corpo fora encontrado em Ostia, nos arredores da capital, após ter sido espancado e atropelado várias vezes.   

Pelosi, então menor de idade, disse na época que matara o cineasta durante um encontro sexual frustrado, porém ele mudaria sua versão décadas mais tarde, afirmando que o intelectual havia sido assassinado por outras três pessoas.   

No entanto Pelosi nunca deu nenhuma pista que permitisse a identificação dos supostos cúmplices. Até hoje, a família de Pasolini acredita que ele, um comunista convicto, tenha sido morto em função de motivos políticos.   

Em maio de 2015, a Procuradoria da República em Roma arquivou o último inquérito sobre o crime, após não ter encontrado evidências da participação de outras pessoas. "Pino" ainda seria condenado por outros delitos ao longo de sua vida, como roubo e tráfico de drogas, e ganharia a liberdade definitiva em 2009.   

(ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos