PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Rússia pode aumentar exportações de gás para Europa, diz Putin

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, falou durante a Semana da Energia da Rússia em Moscou - Mikhail Klimentyev/Sputnik/AFP
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, falou durante a Semana da Energia da Rússia em Moscou Imagem: Mikhail Klimentyev/Sputnik/AFP

13/10/2021 15h28

MOSCOU, 13 OUT (ANSA) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou nesta quarta-feira (13) que seu governo está disposto a aumentar o fornecimento de gás natural para a Europa. De acordo com a agência Tass, a declaração foi dada por Putin durante a Semana da Energia da Rússia em Moscou.

"Se eles nos pedirem para aumentar, estamos prontos para aumentar novamente", disse ele, enfatizando que está "aumentando tanto quanto nossos parceiros nos pedem" e que ainda não "houve rejeição".

Segundo o líder russo, o país, maior fornecedor de gás da Europa, está "preparado para discutir quaisquer etapas adicionais" e chegar a um acordo com os parceiros.

Nos últimos dias, as autoridades russas já haviam cogitado aumentar a distribuição de gás no território europeu, mas aparentemente desejam fechar contratos a longo prazo.

Hoje, o ministro da Energia da Rússia, Nikolai Chulguinov, chegou a dizer que "se há uma demanda (adicional), esta só poderá ser atendida com novas condições contratuais".

Putin, por sua vez, criticou os países do bloco e disse que a crise energética atual do continente se deve a "falhas" no sistema de energia, e não à falta de abastecimento. Além disso, ressaltou que a Europa introduz os problemas sistemáticos e, em seguida, transfere a culpa quando tudo dá errado.

Para o chefe de Estado, é "muito importante" estabilizar o mercado de gás, por isso é necessário "um mecanismo de estabilização a longo prazo do mercado de energia, o que é muito importante na difícil situação atual".

Um aumento nos preços do gás e da energia está causando estragos na economia da Europa, tendo em vista que as reservas de gás estão em seus menores níveis. (ANSA)

Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.

Internacional