PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Associação antimáfia da Itália critica concessão de cidadania honorária a Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro em evento em Russas, no Ceará - Alan Santos/PR
O presidente Jair Bolsonaro em evento em Russas, no Ceará Imagem: Alan Santos/PR

Da Ansa

27/10/2021 10h56Atualizada em 27/10/2021 11h58

Uma das principais associações de combate às máfias na Itália criticou ontem a concessão de cidadania honorária para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no município de Anguillara Veneta.

De acordo com o diretório da ONG Libera na região do Vêneto, a homenagem é um "tapa na memória das múltiplas vítimas" das ações do mandatário brasileiro.

"Recordamos como a ação política do presidente Bolsonaro é caracterizada por uma multiplicidade de atos tidos como contrários aos direitos humanos e ambientais, implantando uma política genocida contra a população (o desprezo e as ofensas a mulheres e homossexuais, as ações de desmatamento e violações contra as populações indígenas que habitam na Amazônia, as grotescas acusações às ONGs pelos incêndios que devastaram a Amazônia)", escreveu a Libera no Facebook.

"Em virtude de tais circunstâncias, acreditamos que a concessão de tal honraria é um tapa na memória das múltiplas vítimas de tal ação política", acrescentou a entidade, que foi fundada em 1995 por Luigi Ciotti, um conhecido ativista antimáfia da Itália.

Homenagem

A cidadania honorária a Bolsonaro foi proposta pela prefeita de Anguillara Veneta, Alessandra Buoso, com o argumento de que um bisavô do presidente nasceu nessa pequena cidade de pouco mais de 4 mil habitantes situada no norte italiano.

"A cidadania é conferida de fato ao presidente, como delegado de um povo e eleito democraticamente pelo povo que ele representa, mas é conferida simbolicamente a toda uma nação", declarou Buoso por meio de comunicado.

Segundo a prefeita, o reconhecimento vale como um "gesto simbólico de esperança para todos os povos que, todos os dias, são obrigados a migrar para outros países em busca de uma nova vida".

"Não queremos entrar nos aspectos políticos porque não é nosso papel nem nossa vontade, queremos apenas recordar que os laços entre essas duas nações são extremamente fortes", acrescentou.

Existe a expectativa de que Bolsonaro visite Anguillara após a cúpula do G20 em Roma, marcada para 30 e 31 de outubro.

Internacional