PUBLICIDADE
Topo

Guerra da Rússia-Ucrânia

Notícias do conflito entre Rússia e Ucrânia


Conteúdo publicado há
3 meses

Rússia denuncia ataques da Ucrânia em distrito na fronteira e outro na região russa

Base Aérea Russa próximo de Kursk - Reprodução / Google Maps
Base Aérea Russa próximo de Kursk Imagem: Reprodução / Google Maps

Da Ansa

29/04/2022 16h01Atualizada em 30/04/2022 16h17

A Rússia denunciou nesta sexta-feira (29) ataques ucranianos contra dois postos de controle no distrito de Rylsky, em Kursk, na fronteira com a Ucrânia, e na região russa de Bryansk.

O governador de Kursk, Roman Starovoyt, relatou no Telegram, citado pela agência de notícias Tass, que o bombardeio ocorreu nesta manhã e não deixou vítimas nem danos materiais.

De acordo com o russo, os guardas da fronteira responderam ao ataque e destruíram as posições de onde o ataque ucraniano foi lançado.

A região de Kursk faz fronteira com a região ucraniana de Sumy, palco de intensos combates desde que a Rússia iniciou a sua chamada "operação militar especial" na Ucrânia, em 24 de fevereiro.

Já em Bryansk, as autoridades de Moscou informaram que o posto fronteiriço também foi atingido por um bombardeio ucraniano, no qual tinha o escritório do serviço de inteligência russo, o FSB, como alvo. Não há relatos de vítimas.

Hoje, inclusive, Oleksyi Arestovich, principal conselheiro de Volodymyr Zelensky, declarou que combatentes ucranianos infligiram "perdas colossais" às forças invasoras russas e admitiu que as tropas de Kiev também sofreram grandes perdas.

"Mas as dos russos são muito maiores. São colossais", ressaltou.

Ativos russos

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, comentou o pedido do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, enviado ao Congresso solicitando mais US$ 33 bilhões, dos quais US$ 20 bilhões seriam exclusivamente para armas, para ajudar a Ucrânia.

"A aprovação pelo Congresso americano de um projeto de lei que permite que os bens da Rússia sejam usados para ajudar a Ucrânia é uma decisão irada, um precedente perigoso para a expropriação de propriedade privada".

O Pentágono, por sua vez, denunciou o presidente russo, Vladimir Putin, por sua "depravação". "É difícil olhar para o que suas forças estão fazendo na Ucrânia e pensar em como um indivíduo, um líder, pode justificar isso. É depravação", disse o porta-voz John Kirby, assegurando que os Estados Unidos continuarão a "apoiar a Ucrânia".