Apesar de disputas, comércio EUA-Venezuela se fortalece

da BBC, em Londres

Se você acompanhou a troca acalorada de insultos entre a Venezuela e os Estados Unidos nos últimos 12 meses, poderia ser facilmente perdoado por assumir que a relação comercial entre os dois países é igualmente frágil.

Mas nada poderia estar mais longe da verdade. Enquanto o presidente venezuelano, Hugo Chávez, lança ataque atrás de ataque contra a Casa Branca, e vice-versa, o comércio entre os dois países está na verdade se fortalecendo.

Uma olhada rápida nos últimos dados diz tudo. Há apenas quatro anos, o total de importações e exportações entre a Venezuela e os Estados Unidos era de cerca de US$ 20 bilhões ao ano.

Os últimos números divulgados pela câmara de comércio Venezuela-Estados Unidos (VenAmCham) mostram que o comércio bilateral mais que dobrou nos últimos quatro anos e soma hoje cerca de US$ 47 bilhões.

“Apenas no último ano, o nível de importações e exportações entre os Estados Unidos e a Venezuela aumentou 15%”, disse o presidente da VenAmCham, Edmond Saade.

Petróleo em alta

Uma observação mais próxima revela por que o comércio vem crescendo: os preços globais do petróleo aumentaram fortemente, e assim o valor dos carregamentos venezuelanos aos Estados Unidos agora se aproxima dos US$ 39 bilhões ao ano.

A indústria do petróleo responde por 90% das exportações venezuelanas, explica Saade. O restante corresponde aos setores de têxteis e alimentos.

Os Estados Unidos sempre foram tradicionalmente um dos maiores parceiros comerciais da Venezuela.

“Temos mantido uma relação comercial estável com a Venezuela pelos últimos 200 anos”, disse à BBC um porta-voz do Departamento de Estado americano.

“Essa relação resistiu ao teste do tempo. Ela também agüentou algumas dificuldades que tivemos no passado.”

Em relação ao comércio no outro sentido, quase um terço das importações venezuelanas são originárias dos Estados Unidos.

A economia do país sul-americano vem crescendo cerca de 9% ao ano, aumentando a demanda por bens de consumo como carros, roupas e produtos eletrônicos para níveis recordes.

Reconhecimento

Há um claro reconhecimento pelas autoridades em Caracas de que mesmo que se mantenham o gelo da política bilateral e a atual retórica, o comércio entre a Venezuela e os Estados Unidos é indispensável.

“No fim das contas, os Estados Unidos ainda são e têm sido nosso principal parceiro comercial”, disse à BBC Jorge Valero, vice-ministro da Venezuela para questões norte-americanas.

“À parte de algumas de nossas diferenças políticas, sempre podemos contar com nossos parceiros americanos para fazer negócios conosco.”

A Venezuela está buscando vender mais e mais petróleo para os mercados do sudeste asiático, particularmente para a China, com sua demanda voraz para matérias-primas e por energia para manter seu rápido crescimento econômico.

Mas ainda é muito difícil de imaginar um dia no qual o presidente Hugo Chávez feche a torneira do suprimento de petróleo para os Estados Unidos.

Até o momento, não existe um substituto real para os Estados Unidos como consumidor de petróleo.

Se a Venezuela quiser virar suas costas para os americanos no comércio de petróleo, pode precisar de mais uma década para ser capaz de fazê-lo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos