Exército ajudou a combater violência na periferia de Bogotá

da BBC, em Londres

Em contraste com outras cidades da América Latina, as autoridades de Bogotá, capital da Colômbia, conseguiram reduzir substancialmente a violência e a insegurança de mais de uma década graças a uma receita que combina diversos ingredientes, incluindo o uso do Exército nas periferias.

Além do emprego de tropas na segurança urbana, a experiência colombiana é fruto de um esforço contínuo de vários prefeitos para aumentar o número de policiais e câmeras de vigilância nas ruas, vinculação da cidadania a programas de segurança e maiores investimentos sociais.

Essa estratégia, combinada com programas de desarmamento de civis, conseguiu reduzir a taxa de homicídios de 85 para 18 para cada cem mil habitantes.

O especialista em segurança urbana, Rubén Darío Ramírez, disse à BBC que a taxa de homicídios continua caindo, e que nos próximos dias as autoridades de Bogotá devem revelar novos índices.

Exército

Ramírez enfatiza que a participação do Exército tem sido fundamental no controle das zonas de periferia vizinhas às áreas rurais, onde operam grupos armados, como guerrilhas e paramilitares.

“Em 2007, a prefeitura de Bogotá vai repassar cinco milhões de pesos (cerca de R$ 4 milhões) ao Exército para essas tarefas”, afirma.

Para Alfredo Rangel, especialista em segurança e diretor da Fundación Seguridad y Democracia, a participação do Exército no controle da segurança urbana deve ser marginal e submetida ao comando da polícia.

“A segurança urbana é um trabalho especificamente policial. A polícia deve contar com força suficiente e com um sistema de inteligência eficaz. O Exército só deve atuar em casos extremamente críticos, quando a situação foge do controle”, afirmou Rangel à BBC.

A situação era muito diferente em meados dos anos 90, quando Bogotá sofreu com as batalhas do narcoterrorismo, que incluíam explosões de bombas em locais públicos, ações de assassinos profissionais e crescimento no número de homicídios.

Ramírez disse que além das frentes de segurança montadas nos bairros e dos pactos de convivência promovidos junto a autoridades locais e líderes comunitários, nos últimos três anos a cidade aumentou em dois mil o número do efetivo de policiais nas ruas.

A contratação de novos policiais é financiada pelo governo federal. Na Colômbia, a polícia é uma força nacional, comandada por um dirigente indicado pelo presidente da República.

Taxistas e segurança

Ramírez também destaca os progressos alcançados com a ajuda de 48 mil taxistas que usam comunicação por rádio para denunciar atos suspeitos a uma central da polícia.

De acordo com o especialista, estudos também revelaram geograficamente onde se concentram os delitos e a freqüência da ação dos crimininosos ao longo da cidade.

“Isso permite que as autoridades enfoquem seus esforços onde é mais necessário”, afirma.

A prefeitura de Bogotá criou um sistema unificado de informação de violência e delinqüência, que facilita na tomada de decisão sobre como combater o crime.

Rangel, da Fundación Seguridad y Democracia, também destaca a importância da cidadania vinculada às tarefas de segurança.

“Se não há cooperação ativa, nem compromisso dos cidadãos para a guarda da própria segurança, o crime organizado tem campo aberto para ações delinquentes”, diz Rangel.

Segundo ele, é necessário investimento social por parte do Estado.

“Isso permite o melhor aproveitamento do tempo livre dos jovens, principalmente em bairros marginais das cidades.”


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos