Ivan Lessa: E começou a inana...

da BBC, em Londres

2007 aí está, há alguns dias, e quem te viu e quem te vê diria que é a carra escarrada de 2006.

Não cuspamos no prato que nos comeu durante 365 dias. “Carra escarrada” vem de “mármore de Carrara”, coisa fina que, com os tempos, fomos aprendendo a cuspir em cima. Tá bom, vá lá que seja, mas Saddam não está mais entre nós, ou entre eles lá.

As primeiras notícias davam conta de que vestira o cachecol final tremendo de medo e covarde. Ubíquos celulares munidos de vídeo prontamente desmentiram: foi-se possivelmente como chegou, sendo xingado e xingando. Curioso, ninguém se lembrou de perguntar em que caverna de que Ali Babá Saddam escondera o raio das “armas de destruição em massa”.

Que a terra lhe seja leve. Ou pesada. O que for mais duro de aguentar para um brutamontes assassino que sofreu a burrice inominável de ser enforcado, quando era para deixar mofando numa cela qualquer, regando ou não suas plantinhas. Agora, güenta, gente.

Implicância

E por que tanta implicância com o primeiro ministro Tony Blair e sua excelentíssima senhora só porque o casal adora passar uns dias extras de férias no fim do ano hospedados ou por ricos e poderosos ou por pessoas pop insuportáveis? O poder pode se dar a esses luxos.

Esse ano, não fosse uma derrapagem do avião em Miami, Blair e Chérie passariam uma bela temporada no palacete daquele dentuço que sobrou dos Bee Gees, tal de Robin Gibbs, vizinho de Jennnifer Lopez, Matt Damon e Mick Jagger. Poderiam se reunir, finzinho da tarde, e discutir a questão do Oriente Médio, onde agora, com Saddam enterrado ao lado dos filhos, os palestinos mortos por israelenses triplicaram no ano que passou: 660 -- e isso segundo uma agência israelense de direitos humanos.

Dos 660, pelo menos 322 não estavam envolvidos em qualquer tipo de ação de protesto, pacífico ou não. Mais propício à paisagem miamesca, roqueiro e político, mais suas respectivas senhoras, poderiam (deveriam?) erguer seus copos em sentidos brindes de homenagem aos agora mais de 3000 americanos mortos no Iraque.

Resta a questão: mojito ou daiquiri pega bem nesses casos? Entende-se porque Margaret Thatcher nunca tenha tirado férias em seus onze anos no poder.



Satisfação

Talvez por essas e por outras tenha ficado provado por A mais B, incluindo H e Z, que os cidadãos britânicos estão mais satisfeitos de 2006 para cá (e até agora) do que antes. Quer dizer, egoisticamente satisfeitos, sem nada a ver com o país que os cerca.

É dessas pesquisas que eles adoram: sai uma porção de gente com um bloco e uma esferográfica e toca a fazer perguntas para as pessoas esperando o metrô ou o ônibus.A organização responsável pelos dados chama-se YouGov e, além de parecer nome de sítio da Internet, como tudo mais hoje em dia, é tida como merecedora de confiança, também como tudo mais (menos Saddam Hussein, claro).

A Iugóve (abrasileiro logo) chegou a uma porção de conclusões desinteressantes que reproduzo aqui por me encontrar em estado de espírito semelhante (desinteressante, para ser claro): 40% dos entrevistados acharam que 2006 foi pessoalmente para eles um ano bacaninha, ao passo que 55% juram que foi péssimo para as ilhas.

A questão não foi esmiuçada, assim como também não se esmiuça mais hoje em dia o motivo porque se vai morrer ou matar em terras dŽalém-mar. São pessimistas os ilhéus: com a entrada para a Comunidade Européia da Romênia e da Bulgária, entre outras coisas, a situação vai piorar e bastante nos próximos 5 anos, no entender de 53% dos questionados.

O que é pinto perto dos 58% que vêem as coisas pretas para o Reino Unido já a partir de hoje, aqui e agora neste comecinho de janeiro de 2007.

Cruzamento



Esse estado de espírito para baixo foi verificado antes mesmo das tempestades que varreram o norte da ilha e acabaram com a festa (entenda-se queima de fogos de artifício. Falar nisso, nunca entendi a graça) dos escoceses que cantam parcialmente em gaélico a “Valsa da Despedida”, a que nos acostumamos a ouvir na voz do Chico Viola, e comemoram o Ano Novo chamando-o de Hogmanay, além de praticar exotismos num nível de violência que me recuso a explicar ou traduzir.

Digamos que lembra um cruzamento da linha amarela com a linha vermelha no Rio. Por aí.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos