Chanceler colombiana renuncia após ter irmão preso

da BBC, em Londres

A ministra das Relações Exteriores da Colômbia, María Consuelo Araújo, renunciou nesta segunda-feira, em meio a denúncias de que o seu irmão e o seu pai teriam ligações com grupos paramilitares.

"A certeza da inocência do meu pai e do meu irmão me obriga a sair para ter a liberdade de estar ao lado deles e apoiá-los como filha e como irmã", disse Araújo, lendo a carta de renúncia, durante uma entrevista coletiva convocada de última hora.

A chanceler, que havia sido confirmada no cargo na sexta-feira pelo presidente Álvaro Uribe, disse não sentir "apego por nenhum cargo, a não ser pelos resultados que beneficiam o país".

O irmão da ministra, o senador Álvaro Araújo, foi preso na quinta-feira - junto com outros sete parlamentares - depois de ser acusado de ligações com o grupo Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), que mantém negociações com o governo como parte do processo de paz no país.

As prisões fazem parte de uma campanha da Corte Suprema de Justiça contra políticos ligados aos paramilitares. O pai da chanceler, Álvaro Araújo Noguera, é investigado pela mesma razão.

Outros aliados de Uribe no Congresso já foram acusados de vínculos com esses grupos, em um escândalo que a imprensa colombiana já chama de "parapolítica".

María Consuelo Araújo exerceu o cargo por apenas seis meses.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos