Topo

Brasil quer convencer Rússia e China a abandonar governo Maduro

GABRIELA BILÓ/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: GABRIELA BILÓ/ESTADÃO CONTEÚDO

Samy Adghirni

2019-03-08T14:54:39

08/03/2019 14h54

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse que o Brasil assumirá a dianteira do esforço diplomático para tentar convencer Rússia e China a reconhecerem o opositor Juan Guaidó como presidente da Venezuela.

A iniciativa se dará na próxima semana, quando Araújo será anfitrião de uma reunião em Curitiba com representantes do BRICS, grupo de países emergentes formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O Brasil é o único membro do BRICS a considerar oficialmente o deputado Guaidó como presidente da Venezuela. Os demais continuam reconhecendo Nicolás Maduro como chefe de Estado.

"O Brasil tem condições de colocar seu peso em favor de trazer esses países que ainda não reconheceram Guaidó", disse Araújo em entrevista no seu gabinete. "A gente tem convicção de que China e Rússia não querem ver o colapso da Venezuela. Por isso, em algum momento, poderão ouvir a voz da razão."

Rússia e China fornecem há anos apoio político e financeiro que ajuda Maduro a se manter no poder apesar do colapso econômico, dos grandes protestos opositores e da pressão externa. Os dois países têm grandes investimentos na Venezuela e temem perder espaço geopolítico na América Latina caso Maduro seja substituído por um governo pró-EUA.

Os governos russo e chinês reconheceram como legítimo o resultado da eleição que garantiu, no ano passado, novo mandato ao sucessor de Hugo Chávez. Na direção oposta, dezenas de países, principalmente nas Américas e na Europa, romperam com o chavismo. Desde o início deste ano, uma ampla articulação internacional tenta fortalecer Guaidó e convencer as Forças Armadas a abandonarem Maduro.

Segundo Araújo, a atuação do governo de Jair Bolsonaro é a força motora desta articulação. "O Brasil foi líder na criação de uma nova alternativa política para a Venezuela que os EUA passaram a apoiar de forma muito decisiva", disse o ministro.

O ministro minimizou o fracasso da tentativa de forçar a entrada de ajuda humanitária à Venezuela pelas fronteiras com Colômbia e Brasil, há duas semanas. Ele afirmou que uma nova tentativa de levar remédios e alimentos aos venezuelanos poderá ocorrer, sem data por enquanto, e disse que a saída de Maduro é só uma questão de tempo. "O processo em andamento é irreversível."