PUBLICIDADE
Topo

China vai proibir uso de sacolas plásticas em grandes cidades

29.set.2016 - Cerca de 300 milhões de toneladas de resíduos plásticos são geradas a cada ano, e 60% delas são descartadas em aterros sanitários ou no ambiente natural - iStock - imagem meramente ilustrativa
29.set.2016 - Cerca de 300 milhões de toneladas de resíduos plásticos são geradas a cada ano, e 60% delas são descartadas em aterros sanitários ou no ambiente natural Imagem: iStock - imagem meramente ilustrativa

Bloomberg News

20/01/2020 07h45

A China vai reduzir o consumo de plástico descartável em uma iniciativa para enfrentar uma quantidade crescente do material descartado, que rapidamente se tornou uma das crises ambientais mais prementes do mundo.

Sacolas plásticas não biodegradáveis serão proibidas em locais como supermercados e shoppings nas principais cidades, bem como para os onipresentes serviços de entrega de alimentos do país até o fim deste ano, segundo um plano divulgado ontem pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma.

"A China tenta acompanhar o resto do mundo", disse Leiliang Zheng, analista da BloombergNEF. "A União Europeia é líder na solução da crise do plástico e já aprovou uma lei para proibir amplamente plásticos descartáveis em 2019, e muitos países em desenvolvimento da África e do Sudeste Asiático também estão acompanhando o problema."

Cerca de 300 milhões de toneladas de resíduos plásticos são geradas a cada ano, e 60% delas são descartadas em aterros sanitários ou no ambiente natural, de acordo com relatório da Organização das Nações Unidas. Quer seja descartado no oceano, em um rio ou em terra, a durabilidade do plástico e sua resistência à degradação tornam quase impossível que o material se decomponha completamente, fazendo com que dure por séculos.

As regulamentações sobre plástico descartável estão aumentando globalmente, de acordo com relatório da BloombergNEF. A França baniu o uso de pratos de plástico, copos e cotonetes a partir de 1º de janeiro, com o objetivo de eliminar todos os itens de uso único até 2040. Tailândia e Nova Zelândia impuseram restrições ou baniram sacos de plástico descartáveis. Na Indonésia, um veto entra em vigor em junho deste ano.

Muitos países da África implementaram limites à fabricação de plástico ou tentaram restringir o consumo do material através de taxas. Ainda assim, a Índia evitou impor uma proibição para o plástico descartável no ano passado, com receio de que a política desencadeasse uma desaceleração econômica, segundo Zheng, da BNEF.

Medidas

O uso de plástico na China aumentou com a expansão de aplicativos de compras e entrega de alimentos on-line, que passaram a fazer parte do dia a dia, mesmo em áreas rurais. O Alibaba Group, que organiza uma maratona de compras de 24 horas todo ano, é criticado por enviar 1 bilhão de pacotes em um único dia.

A nova política pode aumentar os custos das plataformas de comércio eletrônico, que precisarão ajustar suas estratégias de embalagem, de acordo com Zheng, acrescentando que as alternativas ao plástico, como materiais biodegradáveis ou plásticos reciclados, ainda são mais caras.

A China proibirá canudos de plástico descartáveis e não biodegradáveis em todo o país até o fim de 2020, disse, com o objetivo de reduzir a "intensidade de consumo" desses itens de plástico por serviços de entrega em áreas urbanas em 30% até 2025. Até 2022, alguns serviços de entrega em grandes cidades, como Pequim e Xangai, serão proibidos de usar embalagens não biodegradáveis. A proibição será estendida a todo o país até 2025.

* Com a colaboração de Dan Murtaugh e Heesu Lee

Meio Ambiente