PUBLICIDADE
Topo

China registra mais 17 casos de infecção por novo vírus

11.jan.2020 - Mercado de frutos do mar em Wuhan, na China, é fechado após a morte de um frequentador do local em decorrência de uma doença respiratória causada por um vírus desconhecido e que já atingiu dezenas de pessoas na região - Noel Celis/AFP
11.jan.2020 - Mercado de frutos do mar em Wuhan, na China, é fechado após a morte de um frequentador do local em decorrência de uma doença respiratória causada por um vírus desconhecido e que já atingiu dezenas de pessoas na região Imagem: Noel Celis/AFP

19/01/2020 08h44

Novos casos elevam total oficial de pessoas infectadas para 62. Duas já morreram. Cientistas britânicos temem que número de infectados seja muito mais elevado.

Autoridades sanitárias na China informaram hoje que foram detectados na cidade de Wuhan, na região central do país, mais 17 casos de pneumonia causados por um novo tipo de coronavírus, elevando o número total de pessoas infectadas para 62. Pelo menos duas pessoas já morreram.

Também foram detectados três casos no exterior entre pessoas que viajaram a Wuhan - dois na Tailândia e um no Japão.

O surto da doença foi iniciado em dezembro e é causado por um novo tipo de coronavírus semelhante ao da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars). Os sintomas são febre e cansaço, acompanhados de tosse seca e, em muitos casos, dificuldades respiratórias.

Entre os 17 novos casos, 12 são homens e cinco mulheres, entre 30 e 79 anos. Três deles estão em estado crítico, segundo a Comissão Municipal de Saúde da cidade.

Os pacientes apresentaram sintomas como febre e tosse antes da última segunda-feira e foram levados para o Hospital Jinyintan, em Wuhan, exceto para duas pessoas em estado crítico. A comissão também informou que quatro pacientes, já curados, tiveram alta do hospital na última sexta.

A análise epidemiológica de casos previamente detectados mostrou que algumas das pessoas infectadas não foram expostas ao mercado de peixe e marisco de Huanan, em Wuhan, com o qual se acredita que a maioria dos casos esteja associada. O local foi temporariamente fechado e está passando por um trabalho de desinfecção.

Entre os 763 contatos próximos aos infectados que foram colocados sob observação médica, 681 foram dispensados, segundo a agência municipal de saúde, que observou que, até o momento, não foi constatado caso algum de contágio no ambiente das pessoas afetadas.

Até agora, todos os registros oficiais na China foram registrados em Wuhan, embora o jornal independente de Hong Kong South China Morning Post tenha dito hoje que pelo menos dois outros casos novos foram relatados na cidade de Shenzhen e um em Xangai, a capital financeira do país.

Os números oficiais têm sido encarados com desconfiança no exterior. Há temor de que o vírus provavelmente infectou centenas de pessoas a mais do que a cifra oficial, segundo cientistas do centro de pesquisas na Imperial College de Londres, que assessora instituições como a Organização Mundial da Saúde (OMS). Estes especialistas apontaram em um estudo que 1.723 pessoas infectadas é uma cifra muito mais provável dos que as seis dezenas anunciadas até agora.

Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores usaram a quantidade de casos detectados até agora fora da China - dois na Tailândia e um no Japão - para deduzir o provável número de pessoas infectadas em Wuhan, segundo dados de voos internacionais que saem daquela cidade.

"Para que Wuhan exporte três casos para outros países, deve haver muito mais casos do que os anunciados", disse à BBC o professor Neil Ferguson, um dos autores do estudo. "Estou muito mais preocupado do que há uma semana."

O governo se preocupa com a propagação da doença durante o feriado do Ano Novo chinês, de 25 de janeiro a 18 de fevereiro, quando milhões de chineses devem viajar para suas cidades de origem ou para o exterior. O governo estima que 440 milhões deverão utilizar o transporte ferroviário e 79 milhões se deslocarão em aviões comerciais.

O Ministério chinês dos Transportes realiza ações de segurança para desinfetar trens, aviões e ônibus a fim de evitar a disseminação da doença. O mesmo ocorre em estações de passageiros, aeroportos e centrais de distribuição de cargas. Medidas de prevenção também são adotadas em Hong Kong, Taiwan e na Coreia do Sul.

O surto gerou alerta por lembrar uma situação vivida em 2003, quando a Sars se espalhou por todo o território chinês e matou 646 pessoas apenas no país, além de outras 167 em todo o mundo, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde. Na ocasião, autoridades chinesas acobertaram o surto de Sars durante semanas até que um aumento no número de mortes levasse o governo a revelar a epidemia.

Internacional