ONU exige que Israel pare construção de assentamentos para avançar rumo a paz

Nações Unidas, 26 jan (EFE).- O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, criticou duramente nesta terça-feira a política israelense de assentamentos e suas últimas ações, e deixou claro que detê-la é um passo fundamental para avançar em direção à paz no Oriente Médio.

"O progresso rumo à paz exige congelar o projeto de assentamentos de Israel", disse Ban em um debate especial do Conselho de Segurança sobre o conflito.

Para o secretário-geral da ONU, as autoridades israelenses têm que mudar suas políticas se quiserem progredir, pois o contínuo avanço das colônias é "uma afronta para o povo palestino e para comunidade internacional".

Segundo Ban, as decisões de Israel neste âmbito despertam fortes dúvidas sobre o compromisso de seu governo com a solução de dois Estados defendida pela comunidade internacional.

O último exemplo aconteceu hoje, com a aprovação pelo Executivo de um projeto para construir 152 novas casas em colônias judaicas no território palestino ocupado da Cisjordânia.

Ban se declarou "profundamente preocupado" pelas informações a respeito e por outros anúncios recentes, lembrando que esses assentamentos são "ilegais".

"Estas ações provocativas estão voltadas para aumentar o crescimento da população de colonos, aumentando as tensões e minando qualquer perspectiva de uma saída política", disse o diplomata coreano.

Ban ainda chamou a atenção sobre a situação em Gaza, onde as coisas quase não melhoraram um ano e meio depois do fim da última intervenção armada israelense.

"Continuo achando que as condições em Gaza colocam uma grave ameaça à paz e à segurança no longo prazo na região", disse Ban.

O secretário-geral da ONU condenou os repetidos ataques palestinos contra civis israelenses e pediu aos líderes palestinos que se unam na democracia para poder avançar.

"Alguns podem dizer que a atual volatilidade ao redor da região torna arricado demais buscar a paz. Eu digo que o maior perigo é não buscar uma solução à questão palestina", defendeu.

Ban pediu que "não sucumbam a passividade, a resignação e a desesperança" e exigiu que os dois lados atuem já para impedir que a possibilidade de uma solução de dois Estados "se perca para sempre". EFE

mvs/cd

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos