Relação entre Costa Rica e Brasil é normal após "gesto" na ONU, diz chanceler

San José, 29 set (EFE).- O chanceler da Costa Rica, Manuel González, afirmou nesta quinta-feira que a relação com o Brasil é "normal" após o "gesto diplomático" do líder costa-riquenho, Luis Guillermo Solís, de não escutar o discurso do presidente Michel Temer, na Assembleia Geral da ONU.

González compareceu ao Congresso para explicar os motivos da saída do presidente e da maioria da delegação da Costa Rica antes que Temer discursasse na sede das Nações Unidas em 20 de setembro.

"As relações bilaterais com o Brasil são absolutamente normais e continuarão sendo, tanto que o chanceler (brasileiro) José Serra esteve na segunda-feira em Cartagena das Índias (Colômbia), se aproximou para cumprimentar o presidente Solís e falou com ele", afirmou.

O chanceler também considerou "normal na prática diplomática" que uma Chancelaria convoque um embaixador de outro país para que explique determinado fato, como aconteceu com o representante costa-riquenho em Brasília, Jairo Valverde, dias depois do ocorrido na ONU.

"O embaixador Valverde compareceu à Chancelaria do Brasil e informou", disse.

O ministro costa-riquenho garantiu que a decisão de não escutar a mensagem de Temer demonstrou a "preocupação" de seu país perante uma série de acontecimentos ocorridos no Brasil após o impeachment de Dilma Rousseff.

"Nossa posição não tem nada a ver com o impeachment, que é uma figura constitucional que existe nesse país, é um julgamento eminentemente político e seguiu todos os períodos constitucionais. A Costa Rica não tem nada a dizer a respeito", expressou.

"O que assinalamos são situações no exercício da presidência de Temer. Há preocupação sobre uma tendência a atos que podem afetar a democracia nesse país (Brasil)", comentou González, sem detalhar quais.

Na Costa Rica foi criada uma polêmica no âmbito político por conta da atitude de Solís na ONU, especialmente porque veículos de imprensa internacionais informaram que outras delegações como Cuba, Equador e Venezuela também saíram para não escutar Temer.

"Foi uma decisão absolutamente soberana e independente. A Costa Rica não tem a necessidade de coordenar nenhum ato desta natureza com outros países e menos ainda com países com os quais não compartilhamos certas formas de agir e pensar", manifestou o ministro.

González insistiu que a decisão da Costa Rica foi individual e tomada em reunião da equipe de trabalho dois dias antes.

"O presidente propôs na reunião que não era um discurso que gostaria de escutar (o de Temer). Analisamos a conveniência e a decisão tomada e executada foi a de não escutar o discurso. O presidente Solís decidiu que nos retirássemos quando o presidente Temer ainda não tinha iniciado seu discurso", disse.

O chanceler do país centro-americano explicou que não se tratou de um "desprezo" e explicou que esteve presente durante o discurso do presidente brasileiro o embaixador da Costa Rica perante a ONU, Juan Carlos Mendoza.

"Não quero minimizar o que foi feito, mas foi dada uma dimensão muitíssimo maior que o que corresponde a um gesto diplomático", declarou.

Embora alguns deputados tenham insistido para González se pronunciar sobre se houve ou não um golpe de Estado no Brasil, o chanceler respondeu que não cabe à Costa Rica emitir algum qualificativo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos