Embaixador norte-coreano critica Malásia após expulsão do país

Em Bancoc

  • Mohd Rasfan/ AF`P

    O embaixador norte-coreano Kang Chol (centro) é escoltado por policiais no terminal de embarque do aeroporto internacional de Kuala Lumpur, Malásia

    O embaixador norte-coreano Kang Chol (centro) é escoltado por policiais no terminal de embarque do aeroporto internacional de Kuala Lumpur, Malásia

O embaixador da Coreia do Norte em Kuala Lumpur, Kang Chol, disse nesta segunda-feira que sua expulsão da Malásia "está danificando gravemente as relações bilaterais", quando chegou ao aeroporto para deixar o país pouco antes do prazo dado pelas autoridades malaias.

O diplomata, que no sábado foi declarado pessoa "non grata" pelo Executivo malaio, expressou estar "gravemente preocupado pela medida extrema" tomada após o assassinato de Kim Jong-nam, irmão mais velho do atual líder norte-coreano, Kim Jong-un, em Kuala Lumpur.

"A Malásia está danificando gravemente as relações bilaterais que mantivemos durante mais de 40 anos", disse Kang Chol na porta do terminal de saídas do aeroporto, segundo a "Channel News Asia".

A ordem de expulsão foi emitida depois que o diplomata rejeitou se desculpar por seus comentários críticos à investigação da morte em Kuala Lumpur de Kim Jong-nam e não comparecer a uma reunião convocada pelo chanceler malaio.

O emissário qualificou de "parciais" as investigações que concluíram que Kim Jong-nam morreu em 13 de fevereiro após ser atacado no aeroporto de Kuala Lumpur por duas mulheres.

Pyongyang sustenta que a morte foi causada por um ataque cardíaco e acusou as autoridades malaias de conspirar com seus inimigos.

Câmera de segurança mostra o ataque a Kim Jong-nam no aeroporto

  •  

O vice-primeiro-ministro da Malásia, Ahmad Zahid Hamidi, acusou Kang Chol de querer manipular o crime, que segundo as autoridades da Coreia do Sul foi cometido por incumbência de agentes norte-coreanos.

Até o momento, as autoridades malaias detiveram e acusaram por assassinato duas mulheres, uma indonésia e um vietnamita.

Também foi detido um químico norte-coreano que foi libertado sem acusações e deportado a seu país na sexta-feira.

Além disso, a polícia malaia procura quatro norte-coreanos que fugiram do país no mesmo dia do crime acusados de planejarem a ação e recrutar as duas mulheres, e um funcionário da companhia aérea estatal norte-coreana Koryo que teria se refugiado na embaixada.

As autoridades malaias igualmente pediram um encontro com o segundo secretário da embaixada norte-coreana, que goza de imunidade diplomática, e que foi visto junto ao funcionário da Koryo se despedindo no aeroporto dos quatro suspeitos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos