Trump anunciará em breve endurecimento da política dos EUA para Cuba

Washington, 30 mai (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, planeja anunciar em breve em Miami, na Flórida, uma série de mudanças na política para Cuba que pode endurecer significativamente as condições para o comércio e as viagens de americanos à ilha, confirmaram nesta terça-feira à Agência Efe três fontes próximas ao processo.

Ao chegar ao poder em janeiro, Trump ordenou que sua equipe fizesse uma revisão integral da política de abertura a Cuba estabelecida a partir de dezembro de 2014 por seu antecessor, o ex-presidente Barack Obama.

A revisão está perto de terminar, e a equipe de Trump pretende apresentar ao presidente uma série de opções para que o presidente decida qual caminho tomar, disse hoje à Efe uma fonte do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, que pediu anonimato.

Segundo outras duas fontes próximas ao processo de revisão, a Casa Branca já decidiu que Trump fará nas próximas semanas um discurso semelhante a um comício em Miami para detalhar as mudanças. O evento estaria programado para ocorrer em meados de junho.

"Está certo que Trump vai a Miami e fará um discurso, mas os detalhes ainda estão sendo negociados", confirmou à Efe uma fonte com conhecimento de assuntos internos da Casa Branca e que também pediu para não ser identificada.

Entre as mudanças ventiladas está a proibição de empresas dos EUA de negociar com companhias ou órgãos que estejam ligadas às Forças Armadas Revolucionárias de Cuba. Outra revisão prevê a imposição de mais restrições às viagens de americanos à ilha.

Também é provável que Trump anule a ordem executiva publicada por Obama em 2016, que servia como guia para que o governo esclarecesse a responsabilidade de cada órgão na nova relação com Cuba.

Ainda que Trump não esteja cogitando romper as relações ou fechar a embaixada em Cuba, as mudanças estão longe de ser meramente simbólicas, afirmaram as fontes consultadas pela Agência Efe.

"Essa é uma marcha ré significativa em relação à política de aproximação de Obama", afirmou uma das fontes, que defende o fim do embargo comercial a Cuba.

"Proibir todas as transações relacionadas com o Exército cubano pode parecer inócuo, mas, na prática, isso sufocará todo o comércio com Cuba", avaliou a fonte consultada pela Efe.

Para o Departamento do Tesouro dos EUA será difícil certificar com toda certeza que uma empresa estatal cubana não tem vínculo com as FAR. Isso criaria incerteza para as companhias americanas, que não vão se arriscar.

Trump também pode instruir o Departamento de Estado a focar mais nos direitos humanos, segundo John Kavulich, que presidente o Conselho Comercial e Econômico EUA-Cuba, um grupo de empresas americanas interessadas em fazer negócios com a ilha.

Ainda que o turismo de americanos em Cuba não seja permitido, Obama relaxou as restrições de viagem e autorizou que os cidadãos dos EUA se "autocertificassem" como participantes em uma visita educativa, cultural ou de outro tipo à ilha.

Kaluvich explicou que a intenção da equipe de Trump é pelo menos reforçar os controles de imigração para que os americanos que retornem de Cuba provem que viajaram à ilha pelos motivos alegados.

Outra opção é eliminar a "autocertificação" de Obama e obrigar que todos obtenham licenças específicas para viajar a Cuba, algo que pode desestimular os turistas e dificultar as operações das companhias aéreas que estabeleceram rotas regulares para a ilha.

Dois republicanos de origem cubana foram essenciais no processo de revisão da Casa Branca: o senador Marco Rubio e o congressista Mario Díaz-Balart, segundo as três fontes consultadas pela Efe.

Todos teriam recebido garantias do próprio Trump de que o presidente endureceria as políticas para Cuba se eles colaborassem com ele em vários temas, como as indicações de membros para formar o governo e a lei de reforma da saúde.

Rubio segue negociando com a Casa Branca o conteúdo do discurso de Trump, mas, por enquanto, a equipe de estrategistas do presidente tem levado a melhor no debate interno sobre quase todos os órgãos do governo, que se mostraram favoráveis a manter a política de Obama para Cuba, afirmaram duas das fontes ouvidas pela Efe.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos