Moro diz que não ordenou prisão de Lula para evitar "certos traumas"

São Paulo, 12 jul (EFE).- O juiz federal Sério Moro, que condenou nesta quarta-feira o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, explicou na sentença que não ordenou a prisão preventiva para evitar "certos traumas".

"Considerando que a prisão cautelar de um ex-presidente da República não deixa de envolver certos traumas, a prudência recomenda que se aguarde o julgamento pela Corte de Apelação antes de se extrair as consequências próprias da condenação", disse Moro, que condenou Lula a nove anos e meio de prisão.

A condenação pelo caso do tríplex do Guarujá é a primeira contra Lula, que também responde em outros quatro processos. Na decisão de hoje, Moro determinou que o ex-presidente possa recorrer da sentença em liberdade.

Moro afirmou que com os "episódios de orientação a terceiros para destruição de provas, até caberia decretar a prisão preventiva". No entanto, o juiz federal esclareceu que preferiu ser prudente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos