Justiça manda fechar centros de votação do referendo na Catalunha

Barcelona/Madri, 27 set (EFE).- O Tribunal Superior de Justiça da Catalunha (TSJC) tomou nesta quarta-feira o controle das atuações para evitar o referendo ilegal de 1º de outubro, até agora promovidas pelo Ministério Público, e ordenou que a polícia feche os centros de votação e impeça que a consulta seja preparada nesses espaços.

A quatro dias da data fixada pelo governo catalão para realizar o referendo, a magistrada do TSJC, Mercedes Armas, ordenou que a polícia catalã, conhecida como Mossos d'Esquadra; a Polícia Nacional e a Guarda Civil impeçam de forma conjunta que sejam abertos os locais designados para a consulta separatista e requisitem o material eleitoral que encontrem nos mesmos.

A juíza solicitou também ao Ministério Público que cesse suas "diligências, atuações e instruções" sobre o referendo ilegal, já que será ela quem assumirá as próximas diretrizes.

No entanto, a magistrada aprovou a decisão do Ministério Público de ordenar a revista dos locais designados como pontos de votação e que seja um funcionário do Ministério de Interior espanhol quem coordene a operação policial contra a consulta.

Do outro lado, grupos independentistas pediram a seus ativistas que se concentrem nas escolas para permitir que sejam utilizadas para o referendo no dia 1º e impedir que as forças de segurança as fechem.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos