PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Câmara dos EUA derruba lei migratória impulsionada por republicanos

27/06/2018 16h49

Washington, 27 jun (EFE).- A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos rejeitou nesta quarta-feira de forma taxativa a proposta de lei migratória impulsionada pela liderança republicana, mostrando mais uma vez a divisão interna dos conservadores a respeito deste assunto.

Com 121 votos a favor e 301 contra, os republicanos se mostraram novamente incapazes de propor um texto legislativo que convença tanto seus correligionários como os democratas para solucionar o problema dos jovens imigrantes ilegais, resolver a separação familiar e, além disso, fortalecer a segurança na fronteira.

O texto propunha um caminho para a cidadania para 1,8 milhão de jovens imigrantes ilegais, conhecidos como "sonhadores", proibia a separação familiar na fronteira, mas ao mesmo tempo limitava a reunificação familiar dos imigrantes legais e concedia US$ 25 bilhões para a construção do muro com o México.

Apesar de o presidente Donald Trump ter dado seu apoio ao texto "na última hora" durante a manhã de hoje, a liderança republicana fracassou após semanas de negociações com sua ala mais moderada.

No entanto, apesar da derrota, o presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, conseguiu o principal dos seus objetivos: impedir que democratas e centristas forçassem uma votação no plenário sobre este assunto por meio de uma manobra legislativa.

Trata-se de uma estratégia política, já que assim Ryan evita a possibilidade de que os republicanos mais moderados forcem uma votação sobre propostas migratórias moderadas que poderiam obter o apoio suficiente na Câmara, mas que não contam com o sinal verde de Trump.

O projeto de hoje também incluía uma proposta conservadora para pôr fim à separação familiar na fronteira, um dos temas mais controversos depois que o presidente impôs uma política de "tolerância zero" na fronteira que provocou a separação de mais de 2.500 crianças dos seus pais ao chegar em território americano.

A proposta teria anulado o que se conhece como o Acordo Flores, que estabelece padrões mínimos de reclusão e um limite de 20 dias para a detenção de menores.

Internacional