PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Premiê da Austrália anuncia parte de seu novo gabinete de ministros

26/08/2018 12h00

Bangcoc, 26 ago (EFE).- O recém-nomeado primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, anunciou neste domingo parte de seu novo gabinete de ministros depois de chegar ao poder há dois dias, após uma revolta interna no Partido Liberal, que governa o país desde 2013.

Morrison, que foi eleito na sexta-feira como líder dos liberais e tomou posse como chefe do Executivo no mesmo dia, anunciou que Marise Payne, que ocupava o Ministério da Defesa, assumirá a pasta de Relações Exteriores.

Christopher Pyne será o substituto de Payne em Defesa, enquanto Steve Ciobo assumirá o Ministério da Indústria para Defesa e Simon Birmingham será o ministro de Comércio, informou a emissora "ABC".

A pasta de Energia e Meio Ambiente, por sua vez, será dividida em duas, com Melissa Price à frente do Meio Ambiente e Angus Taylor como responsável de Energia.

Já o Ministério da Educação será assumido por Dan Tehan, enquanto Peter Dutton, adversário de Morrison na disputa pela liderança dos liberais e do país, continuará no Ministério de Interior.

Além disso, David Coleman ficará responsável pela pasta de Imigração, Cidadania e Assuntos Multiculturais.

O primeiro-ministro também comunicou outras mudanças ministeriais e anunciou os representantes que continuarão em seus cargos, como Mathias Cormann à frente da pasta de Finanças.

Na última sexta-feira, os parlamentares liberais se reuniram em Camberra em uma convocação extraordinária para resolver a crise de governabilidade no partido e, consequentemente, no Executivo.

O então líder liberal e primeiro-ministro, Malcolm Turnbull, optou por ficar de fora de tal disputa.

Em uma segunda rodada de votações, e após a eliminação Julie Bishop (ex-ministra de Relações Exteriores), Morrison obteve 45 votos contra 40 de Dutton.

Além disso, foi eleito na mesma convocação, "por maioria absoluta", Josh Frydenberg como número 2 do partido e secretário do Escritório do Tesouro.

"O nosso trabalho (...) não é apenas unificar nosso partido, que foi atingido e maltratado esta semana (pela crise interna), mas é seguir trabalhando para garantir que o país esteja mais unido do que nunca", disse Morrison aos jornalistas em Camberra, pouco antes de tomar posse e prestar seu juramento ao governador-geral, Peter Cosgrove.

A Austrália deve realizar eleições gerais em maio de 2019.

As disputas internas pelo poder e as mudanças de líderes se transformaram em frequentes na Austrália há quase uma década, tanto nos governos da coalizão Liberal-Nacional como nos do Partido Trabalhista.

Desde 2007, nenhum primeiro-ministro da Austrália conseguiu completar seu mandato.

Internacional