PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Kim diz que não estaria em Hanói se não quisesse a desnuclearização

28/02/2019 02h49

Hanói, 28 fev (EFE).- O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, disse nesta quinta-feira, durante reunião em Hanói com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que não teria ido até a capital do Vietnã se não quisesse implementar a desnuclearização da península coreana.

"Se eu não tivesse vontade de fazer, não estaria aqui agora", afirmou Kim, durante o encontro, ao ser perguntado por um jornalista se ele está disposto a "desnuclearizar" a península.

Trump então disse à imprensa que as palavras de Kim são "provavelmente a melhor resposta que já ouviram".

Ao quer perguntado por outro repórter que quis saber os passos que estaria disposto a dar para a desnuclearização, Kim respondeu: "Isso é o que estamos tratando atualmente".

Já Trump foi questionado sobre uma possível declaração para encerrar a Guerra da Coreia, e o presidente americano disse que "em última análise, teremos um acordo que será muito bom para o líder Kim e seu país".

"Isso não significa que vamos concordar com isso em um único dia, em uma única reunião, mas eu realmente acredito que com essa grande liderança, a Coreia do Norte terá muito sucesso" acrescentou.

De sua parte, Kim disse que ficaria feliz se Washington abrisse um escritório de ligação (uma delegação diplomática de baixo nível) na Coreia do Norte e Trump disse que seria uma "grande" ideia.

A abertura de escritórios da Coreia do Norte e EUA, em Washington e Pyongyang, respectivamente, é algo que as duas partes poderiam concordar na declaração conjunta que devem assinar hoje no final da cúpula.

Isto abriria as portas para que os dois países comecem a manter relações diplomáticas pela primeira vez na história.

Quando o líder norte-coreano foi perguntado se estavam falando durante a cúpula sobre a péssima situação dos direitos humanos na Coreia do Norte, Trump tomou a palavra e garantiu que estão debatendo sobre todos os assuntos possíveis.

O presidente americano acrescentou que as duas partes estão tendo "conversas muito produtivas" e que a relação bilateral "está melhor do que nunca".

No final da reunião, ambas as delegações almoçarão juntas, antes da assinatura da declaração conjunta.

Espera-se que esta segunda cúpula entre Trump e Kim sirva para fazer avançar o processo de desnuclearização que as duas nações colocaram na sua primeira reunião, realizada em Singapura, no ano passado. EFE

Internacional