Topo

Venezuela afirma que reabrirá fronteira com Brasil "o mais rápido possível"

9.mar.2019 - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, discursa a apoiadores em dia marcado por protestos contra e a favor do seu governo, em Caracas - Yuri Cortez/AFP
9.mar.2019 - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, discursa a apoiadores em dia marcado por protestos contra e a favor do seu governo, em Caracas Imagem: Yuri Cortez/AFP

15/04/2019 21h23

O chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, assegurou nesta segunda-feira que o governo de Nicolás Maduro trabalha para reabrir "o mais rápido possível" as passagens fronteiriças que o país compartilha com o Brasil e que tinha decidido fechar desde 21 de fevereiro.

"Decidimos com o presidente Maduro trabalhar na reabertura dos postos fronteiriços (...) para que ocorra o mais rápido possível", disse Arreaza ao término de uma reunião entre o governante venezuelano e o senador brasileiro Telmário Mota (PROS-RR) em Caracas.

O chefe da diplomacia venezuelana explicou que serão instaladas mesas de trabalho "para que haja regras de jogo muito claras para o bem-estar de nossos povos".

"Começaremos imediatamente o trabalho para reabrir as fronteiras, para restabelecer as relações com o Brasil (...) para o que há um trabalho prévio que devemos coordenar", acrescentou.

Arreaza disse ainda que a reunião entre Maduro e Mota, que "veio com uma mensagem de paz", serviu para revisar as relações bilaterais.

Maduro ordenou em fevereiro o fechamento dessas passagens fronteiriças, e de outras que a Venezuela compartilha com a Colômbia, às vésperas de uma tentativa sem sucesso da oposição de fazer entrar no país uma ajuda internacional que estava armazenada nesses locais e estava destinada a atenuar a crise que assola a Venezuela.

Arreaza insistiu nesta segunda-feira na necessidade de estabelecer regras claras para a reabertura dessas fronteiras "para que não se repita o que ocorreu em 23 de fevereiro, quando no Brasil se prestaram para o show dos Estados Unidos e a famosa e falsa ajuda humanitária".

Por sua parte, Maduro rejeitou na sexta-feira passada o que considerou como ameaças de guerra e invasão feitas pelo presidente Jair Bolsonaro.

"Há poucos dias, o senhor Bolsonaro (...) disse que estava pensando em invadir militarmente a Venezuela (...). O povo da Venezuela rejeita unido e de maneira absoluta as ameaças de guerra e de invasão militar de Jair Bolsonaro", declarou o líder chavista em um ato político.

Maduro assegurou também que o governante brasileiro está sendo apoiado pelos Estados Unidos em seus planos contra a Venezuela.

Além disso, classificou as "ameaças" como algo "muito preocupante" e, nesse sentido, fez um apelo ao povo e às forças militares do Brasil para "enfrentar a aventura de Jair Bolsonaro e sua ameaça de guerra contra a Venezuela".

Mais Internacional