Topo

Boris Johnson é criticado por texto em que atribui atraso de países ao Islã

22.jun.2019 - O ex-ministro britânico Boris Johnson, favorito para suceder Theresa May como primeiro-ministro, durante evento em Birmingham, no Reino Unido - Hannah McKay/Reuters
22.jun.2019 - O ex-ministro britânico Boris Johnson, favorito para suceder Theresa May como primeiro-ministro, durante evento em Birmingham, no Reino Unido Imagem: Hannah McKay/Reuters

Em Londres

15/07/2019 13h50

O político conservador Boris Johnson, ex-ministro das Relações Exteriores do Reino Unido e favorito para ser o próximo primeiro-ministro, recebeu críticas hoje a respeito de um texto publicado em 2007, no qual argumenta que o Islã fez com que os países que majoritariamente seguem essa religião ficassem "literalmente séculos atrás" do Ocidente.

O candidato a suceder Theresa May na liderança do Partido Conservador e do governo do Reino Unido publicou esse ensaio como um apêndice para uma nova edição de seu livro "The Dream of Rome" ("O Sonho de Roma", em tradução livre), no qual analisa semelhanças e diferenças entre a União Europeia e o Império Romano.

"Tem que haver algo no Islã que ajude a explicar porque não houve crescimento da burguesia, do capitalismo liberal e, portanto, a democracia não se desenvolveu no mundo muçulmano", escreveu o ex-prefeito de Londres em um texto que foi recuperado hoje pelo jornal britânico "The Guardian".

"É extraordinário pensar que, sob os impérios romano e bizantino, a cidade de Constantinopla manteve acesa a chama do conhecimento durante mil anos, enquanto durante o domínio otomano, a primeira imprensa só chegou a Istambul em meados do século 19", diz no texto o político conservador.

O Conselho Muçulmano Britânico (MCB, na sigla em inglês) afirmou ao "The Guardian" que muitos cidadãos do Reino Unido estão interessados em saber se Johnson "ainda acredita que o Islã impede o caminho para o progresso e a liberdade".

Mohammed Amin, ex-presidente dessa organização, opinou que as afirmações de Johnson poderiam ser interpretadas como uma forma de "promover ativamente o ódio contra os muçulmanos".

Por sua vez, a organização Tell Mama, que luta contra os crimes de ódio motivado pela religião, assinalou que os argumentos do político conservador são "desconcertantes" e "problemáticos".

Johnson já havia criado polêmica no ano passado ao comparar as mulheres que vestem burca com "caixas de correio" e "ladras de bancos" em um artigo de opinião.

Mais Internacional