PUBLICIDADE
Topo

Trump deixa no ar chance de sancionar Espanha por suposto apoio à Venezuela

Carlo Allegri/Reuters
Imagem: Carlo Allegri/Reuters

em Washington (EUA)

01/11/2019 20h51

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu sinais nesta sexta-feira de que não descarta impôr sanções à Espanha por um suposto apoio financeiro à Venezuela, após o governo espanhol negar que o mandatário americano avaliava essa possibilidade.

"Vamos ver, vamos ver", disse Trump ao ser perguntado sobre a possibilidade de os EUA sancionarem a Espanha pela suposta ajuda ao regime de Nicolás Maduro.

Trump não quis fazer mais comentários sobre o tema e acenou para se despedir e embarcar em um helicóptero rumo ao estado do Mississipi.

Algumas horas antes, o governo espanhol negara enfaticamente que os EUA tivessem chegado a cogitar tal medida, após entrar em contato com autoridades americanas e a embaixada do país em Madri.

O ministro das Relações Exteriores espanhol, Josep Borrell, ressaltou que não há "nenhuma razão", nem existe "nenhum procedimento" de sanção aberto pelos EUA contra a Espanha em relação à Venezuela.

"No há nada de nada", disse à Agência Efe o ministro, que classificou os rumores como "sem nenhum fundamento".

Borrell destacou que, caso houvesse um plano de sanções, o governo espanhol teria sido o primeiro a saber, e criticou a divulgação de "notícias falsas".

A agência "Bloomberg" informou ontem que membros do governo americano estavam pressionando para que os EUA aplicassem sanções à Espanha.

Fontes do Departamento do Tesouro americano consultadas pela Efe se recusaram a comentar sobre essa possibilidade.

En setembro, vários veículos de imprensa informaram que as autoridades venezuelanas utilizavam o Banco da Espanha para burlar as sanções impostas ao país sul-americano pelos Estados Unidos.

O Banco da Espanha negou na época cometer qualquer irregularidade no uso da conta do Banco Central da Venezuela e destacou que tinha "controles específicos" sobre todas as movimentações dessa conta para evitar seu uso "com fins irregulares".

Internacional