PUBLICIDADE
Topo

Polícia não crê em mais sobreviventes após erupção de vulcão na Nova Zelândia

Helicóptero foi afetado após erupção de um vulcão na Ilha Branca, na Nova Zelândia - Handout / Michael Schade / AFP
Helicóptero foi afetado após erupção de um vulcão na Ilha Branca, na Nova Zelândia Imagem: Handout / Michael Schade / AFP

09/12/2019 11h52

Pelo menos cinco pessoas morreram por conta da erupção do vulcão Whakaari, em uma ilha desabitada no nordeste da Nova Zelândia onde havia 50 turistas, enquanto a polícia indica que não há sinais de mais sobreviventes no local.

"Com as informações que temos, não acreditamos que haja sobreviventes na ilha", disse a polícia em um comunicado, após fazer um voo de reconhecimento sobre a ilha, onde um grande número de pessoas foram resgatadas.

A polícia informou que está trabalhando com urgência para confirmar o número exato de pessoas que faleceram, além das cinco mortes confirmadas, bem como a identidade e nacionalidade das vítimas.

A erupção ocorreu no início da tarde de hoje (hora local), com o lançamento de rochas e uma grande nuvem de cinzas sobre a ilha de Whakaari, também conhecida como Ilha Branca, localizada a 48 quilômetros da Ilha Norte.

As autoridades estimaram em menos de 50 o número de turistas neozelandeses e estrangeiros que estavam na ilha no momento da explosão e revelam que ainda há um número indeterminado de "pessoas não localizadas".

O Exército da Nova Zelândia disse que um avião de reconhecimento Orion sobrevoa o solo em busca de possíveis sobreviventes.

"Nossa prioridade absoluta é continuar a busca e o resgate", disse a primeira-ministra Jacinda Ardern, que viaja hoje para a cidade de Whakatane, perto da ilha onde está o vulcão.

Michael Schade, um dos turistas que testemunharam a erupção, mostrou na rede social Twitter, através de vários vídeos, como o navio em que viajava tinha saído da ilha minutos antes da erupção.

As imagens mostram a enorme coluna de fumaça que, segundo os especialistas, atingiu 3 mil metros de altura, enquanto várias pessoas são resgatadas de um pequeno cais da ilha vulcânica coberto por um manto acinzentado.

A Agência Nacional de Resposta de Emergência emitiu um alerta para possíveis novas erupções ou atividade sísmica moderada.

As autoridades da Nova Zelândia estabeleceram um perímetro de segurança e o cancelamento imediato de todas as excursões, incluindo barcos turísticos, ao redor da ilha, visitada anualmente por cerca de 10 mil pessoas.

No último dia 3, o grupo de monitoramento da atividade geológica GeoNet alertou que o vulcão Whakaari "entrou em um período de atividade eruptiva", embora tenha apontado que a situação "não representa um perigo direto para os visitantes".

Enquanto isso, o governo da Nova Zelândia disse hoje que serão revisados os protocolos de emergência e a atividade turística ao redor do vulcão, que em 1914 teve uma erupção que causou 12 mortes. EFE

Internacional