PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
3 meses

Haiti pede ajuda internacional para investigar assassinato de presidente

Bandeira das Nações Unidas - ONU - Denis Balibouse/Reuters
Bandeira das Nações Unidas - ONU Imagem: Denis Balibouse/Reuters

Da EFE, nas Nações Unidas, em Nova York (EUA)

08/07/2021 20h53

O Haiti pediu apoio internacional para investigar o assassinato do presidente Jovenel Moise e também no âmbito da segurança, segundo declarou nesta quinta-feira a representante da ONU no país, Helen La Lime.

A diplomata conversou com jornalistas após uma reunião a portas fechadas do Conselho de Segurança da ONU convocado com urgência para abordar a crise haitiana.

De acordo com a diplomata, na reunião, a representante haitiana disse que o governo solicitou "assistência" internacional para a investigação do assassinato de Moise e que também pediu apoio em segurança.

Organizações como a Human Rights Watch (HRW) insistiram nesta quinta-feira para que as autoridades do Haiti solicitassem apoio internacional para investigar o assassinato. De acordo com La Lime, a ONU está preparada para contribuir com seus especialistas.

"É importante que essas solicitações sejam levadas a sério. Nós estamos certamente preparados com os especialistas que temos para auxiliar nesta investigação", comentou a diplomata por videoconferência.

No âmbito da segurança, La Lime disse que a reunião do Conselho de Segurança analisou um pedido do Haiti para receber mais assistência.

"O Haiti tem que especificar exatamente o que busca e, enquanto isso, temos que continuar usando a assistência técnica de segurança que temos no local", explicou.

Segundo La Lime, "a chave estará nas duas próximas semanas", enquanto a missão da ONU trabalha para garantir que a investigação sobre o assassinato leve os responsáveis à justiça. Para isso, disse que a ONU escutará e atenderá as solicitações de ajuda do país.

Após 15 anos de presença ininterrupta, a ONU encerrou em 2019 as missões de paz no Haiti, mas manteve uma missão política que continua apoiando as instituições do país, mas com menor presença.

O Haiti declarou estado de sítio durante 15 dias devido ao assassinato do presidente, que foi morto a tiros na madrugada de quarta-feira em sua residência em Porto Príncipe.

Internacional