ANÁLISE-Impacto político do mensalão sobre eleições é incerto

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA, 27 Jul (Reuters) - O impacto político do julgamento do mensalão se diluiu ao longo dos últimos sete anos desde que o escândalo veio à tona, mas a oposição ainda acredita que a superexposição do tema na mídia em agosto pode se transformar num trunfo eleitoral. O efeito dessa estratégia, porém, não é garantido.

Essa será a primeira vez que o Supremo Tribunal Federal (STF) se debruçará sobre uma ação penal dessa envergadura, recolocando na ordem do dia o mensalão, escândalo deflagrado após entrevista do então deputado Roberto Jefferson em junho de 2005 sobre um suposto esquema de compra de apoio parlamentar.

Para Jefferson, que era presidente nacional do PTB na ocasião e é novamente agora, o julgamento será um "divisor de águas" para a classe política.

"Tenho certeza que o Supremo será técnico. Não será político, mas será severo, exemplar", disse à Reuters Jefferson, acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

De olho no possível impacto eleitoral, os dois principais partidos de oposição ao governo, o PSDB e o DEM, veem no julgamento um trunfo contra o PT nas eleições deste ano.

"(O mensalão) é uma coisa que certamente estará nas campanhas, mais ou menos dependendo do local", disse o presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE).

"Tem muito paulista no mensalão, vão ter que justificar (a denúncia) mais uma vez", disse Guerra indicando que os tucanos adotarão o julgamento como estratégia eleitoral em São Paulo.

O presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), não vê necessidade de usar o julgamento como estratégia de campanha, mas também acredita que o PT sofrerá abalos na disputa por conta da retomada do escândalo pela mídia.

"O julgamento do mensalão vai reavivar na população o que o PT é. O tempo apaga muita coisa e o povo tem memória curta, mas o julgamento vai reavivar os métodos do PT", argumentou Agripino, que vê maiores consequências para candidatos nos grandes centros urbanos.

"A discussão desse tema enfraquece o PT. No passado e agora de novo", insistiu Guerra.

EFEITO LIMITADO

A estratégia, porém, tende a não dar resultado, na avaliação do professor Roberto Romano, da Unicamp.

"Eu acho que efeito eleitoral será quase zero", avaliou o cientista político. Segundo ele, os principais petistas envolvidos estão até afastados das disputas eleitorais e, por isso, "a relação deles com o eleitorado é cada vez mais distante", disse. "Então, usar isso na eleição não terá consequências."

Apenas um réu do mensalão concorre a prefeito, o deputado João Paulo Cunha, que disputa a prefeitura de Osasco (SP). Cunha, que deixara a presidência da Câmara alguns meses antes do escândalo vir à tona, é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato.

O professor David Fleischer, da Universidade de Brasília (UnB), concorda com Romano e diz que o "candidato atacado pode dizer que não tem nada a ver com isso, que não era nem nascido naquela época", brincou.

Fleischer discorda ainda do argumento dos partidos de oposição de que a superexposição midiática do caso vai minguar os votos do PT. "O eleitor vai ser forçado a lembrar, mas não será forçado a analisar e levar o impacto para o voto."

Para o petista Cândido Vaccarezza (SP), ex-líder do governo na Câmara, existe outro argumento para minimizar os possíveis impactos do uso do julgamento pelos opositores: "eles não têm moral para assumir a bandeira ética".

Quando surgiu o escândalo do mensalão, voltaram à tona denúncias contra o tucano Eduardo Azeredo, que teria se envolvido com o empresário Marcos Valério quando tentava a reeleição ao governo mineiro em 1998. O mesmo Valério que foi chamado por alguns como "operador" do mensalão.

Já o outro grande partido de oposição enfrentou o que ficou conhecido na mídia como o "mensalão do DEM" em 2009, após a divulgação de imagens que mostravam o então governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, e parlamentares recebendo dinheiro suspeito.

Para os petistas, a exploração do mensalão já foi usada, sem sucesso, na eleição presidencial de 2006, no pleito municipal de 2008 e novamente em 2010.

"Em 2006, todo mundo achava que o Lula não tinha chance e ele não ganhou no primeiro turno por pouco", disse o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que em 2005 ocupava a pasta do Planejamento. No segundo turno, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi reeleito com folga sobre o tucano Geraldo Alckmin.

"Se alguém está achando que vai ganhar eleição municipal com isso vai dar com os burros n'água", acrescentou Bernardo.

Fleisher e Romano lembram ainda que tradicionalmente os brasileiros não votam em partidos e privilegiam a personalidade do candidato na hora da escolha.

Já Roberto Jefferson aposta que o resultado do julgamento terá impacto eleitoral seja qual for o partido, e não vê o PT como único prejudicado.

"Mesmo os inocentes vão sentir o efeito", avaliou.

(Edição de Alexandre Caverni e Eduardo Simões)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos