EUA dizem que pedido de extradição por mexicano "El Chapo" permanece

Julia Edwards

Em Washington

  • Yuri Cortez/AFP

A procuradora-geral dos Estados Unidos, Loretta Lynch, disse que o chefe mexicano do tráfico de drogas Joaquín "El Chapo" Guzmán, recapturado nesta sexta-feira (8), terá de responder por seus crimes e o Departamento de Justiça dos EUA confirmou que um pedido anterior para extraditar Guzmán continua valendo.

Guzmán foi preso por fuzileiros navais mexicanos nesta sexta, com ajuda da Administração Anti-Drogas dos EUA (DEA, na sigla em inglês) e policiais norte-americanos, disse uma fonte policial mexicana de primeiro escalão. Autoridades norte-americanas se recusaram a confirmar o envolvimento do país na operação.

"El Chapo" foi preso em fevereiro de 2014, mas fugiu em julho em uma surpreendente fuga de uma prisão de segurança máxima.

Após a prisão em 2014, "os Estados Unidos submeteram pedidos completos de extradição ao México", disse o porta-voz do Departamento de Justiça dos EUA Peter Carr, acrescentando que não há necessidade de reenviar o pedido de extradição.

"A tentativa mais recente de Guzmán de escapar fracassou, e ele terá de responder por seus alegados crimes, que resultaram em significativa violência, sofrimento e corrupção em múltiplos continentes", disse Lynch em comunicado.

Lynch não mencionou a emissão do pedido de extradição.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos