Oposição da Venezuela rejeita decreto de "emergência econômica" de Maduro

Andrew Cawthorne

Em Caracas

A oposição da Venezuela se recusou a aprovar nesta sexta-feira o decreto de "emergência econômica" do presidente Nicolás Maduro no Congresso, dizendo que não oferecia soluções para a cada vez mais desastrosa recessão vivida pelo país.

Ressaltando a grave situação na Venezuela, onde a queda nos preços internacionais do petróleo agravou políticas ineficientes, o Fundo Monetário Internacional (FMI) estimou nesta sexta-feira uma queda de 8 por cento no Produto Interno Bruto e inflação de 720 por cento este ano.

"O povo votou por uma mudança e não um modelo comunista fracassado", disse Elias Mata, vice-presidente de uma comissão de análise do decreto na Assembleia Nacional, que foi conquistada pela oposição dos governistas socialistas em eleição no mês de dezembro.

O decreto de Maduro, publicado há uma semana, daria ao presidente amplos poderes para controlar o orçamento, empresas e o câmbio.

A oposição diz que ele já tem poderes suficiente e insiste que Maduro é o verdadeiro problema. A comissão parlamentar formalmente rejeitou o decreto nesta sexta-feira, e a Assembleia como um todo deve ratificar a decisão.

"Eu sinto muito que a Assembleia Nacional esteja dando as costas para o país... Eles preferem exibições e confrontos", disse o presidente Maduro.

(Reportagem adicional por Eyanir Chinea e Corina Pons)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos