Greve nacional contra reforma previdenciária paralisa partes da Grécia

  • Por Renee Maltezou e Lefteris Papadimas

Por Renee Maltezou e Lefteris Papadimas

ATENAS (Reuters) - Partes da Grécia foram paralisadas nesta quinta-feira por uma greve de milhares de pessoas contra a reforma na Previdência proposta pelo governo de esquerda para cumprir as condições estabelecidas por credores internacionais para resgatar o país endividado.

Em desafio à determinação do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, que tem apenas pequena maioria no Parlamento, os gregos saíram às ruas para exigir que o governo revogue um plano de aperto do sistema de seguridade social, o que muitas pessoas temem que vai empobrecê-las ainda mais.

"Eles deveriam ser enforcados aqui, na praça Syntagma", disse o pensionista Nikos Ghinis enquanto caminhava ao lado de milhares de manifestantes no centro de Atenas. "Estou recebendo 740 euros por mês depois de 40 anos de trabalho... estou (protestando) aqui por meus filhos e netos", disse à Reuters.

Dezenas de voos domésticos não decolaram, balsas ficaram ancoradas nos portos e a maior parte do transporte público ficou paralisada como parte da greve, organizada pelas maiores centrais sindicais da Grécia, a GSEE (setor privado) e a Adedy (setor público).

Milhares de pessoas, de tripulantes de embarcações a médicos, músicos e donos de agências funerárias, começaram os protestos no coração da capital. "Se não reagirmos, eles irão acabar conosco", disseram membros desta última categoria em comunicado.

Essa é a segunda manifestação nacional desde que Tsipras chegou ao poder, em janeiro de 2015, prometendo pôr fim a anos de austeridade fiscal, mas acabar cedendo à ameaça de expulsão da zona do euro e endossando novas reformas restritivas em respeito aos termos de um pacote de socorro da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI) no valor de 86 bilhões de euros.

A greve de 24 horas coincide com uma análise do desempenho grego em vista do socorro financeiro. Os chefes da missão da UE e do FMI encarregados de avaliar o progresso da Grécia chegaram a Atenas no início desta semana para debater o plano de previdência, reformas fiscais e os empréstimos problemáticos que prejudicam os bancos gregos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos