EUA investigam 14 novos relatos de transmissão sexual do Zika vírus

(Reuters) - O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) disse nesta terça-feira que investigava 14 novos relatos de possível contágio sexual do Zika vírus, incluindo alguns envolvendo gestantes.

Em dois dos casos suspeitos, a infecção foi confirmada em mulheres cujo único fator de risco conhecido havia sido o contato sexual com um parceiro doente, que havia recentemente viajado para uma área onde o vírus estava presente, afirmou a agência.

Os testes nos parceiros ainda estavam pendentes, disse o CDC. Picadas de mosquito continuam a principal maneira pela qual o vírus se espalha, embora a transmissão sexual seja possível, acrescentou o centro.

Os novos casos, assim como os anteriormente relatados, envolvem a possível transmissão do vírus via contato sexual dos homens para as parceiras. Neste momento, não há evidências de que mulheres podem transmitir o vírus aos seus parceiros, afirmou o CDC.

A agência mais uma vez enfatizou a necessidade de usar preservativos e adotar outras precauções.

O primeiro caso de transmissão do Zika nos EUA foi registrado no Texas no início de fevereiro por autoridades locais de saúde, que disseram que o vírus havia sido provavelmente contraído via contato sexual, e não por picada de mosquito.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos