Japão quer impulsionar revolução na tecnologia financeira

TÓQUIO (Reuters) - Após uma lenta adoção das empresas de tecnologia financeira, as fintechs, o Japão deve reduzir as restrições de investimentos que podem liberar o fluxo de capital em uma economia que está sentada em cerca de 9 trilhões de dólares em depósitos.

A regulamentação rigorosa, o fácil acesso a crédito devido às baixíssimas taxas de juros e a fraca demanda por serviços financeiros de uma população avessa a riscos que ainda prefere dinheiro a cartões estrangularam o avanço das fintechs no Japão.

As fintechs -em geral startups que desenvolvem tecnologias a partir de armazenamento de dados na nuvem até smartphones para fornecer empréstimos, seguros e serviços de pagamento - levantaram 2,7 bilhões de dólares na China no ano passado e mais de 1,5 bilhão de dólares na Índia, segundo dados do CB Insights. As ventures nos EUA atrairam investimentos de cerca de 7,4 bilhões de dólares.

Em comparação, o investimento em ventures japonesas chegou a apenas 44 milhões de dólares nos primeiros nove meses de 2015.

Agora o órgão regulador do setor financeiro no Japão espera que regras mais flexíveis para investimento e um novo sistema para regulamentação de câmbio de moedas virtual seja apresentada ao parlamento em maio - o primeiro passo para o pontapé inicial na revolução fintech na terceira maior economia do mundo.

(Por Thomas Wilson)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos