"Efeito Steinbruch" faz Techint e Nippon Steel se unirem para eleger chairman da Usiminas

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - Um raro consenso entre os grupos controladores da Usiminas fez a presidência do Conselho de Administração da maior produtora de aços planos do Brasil voltar para os maiores acionistas da siderúrgica, em assembleia realizada nesta quinta-feira, disseram três fontes próximas do assunto.

A votação em Belo Horizonte elegeu Elias Brito para a presidência do Conselho da Usiminas, nome indicado pelo grupo Techint em concordância com a Nippon Steel, segundo duas das fontes.

Brito vai substituir o advogado Marcelo Gasparino, indicado por acionistas minoritários e que havia sido eleito no ano passado depois que os dois grupos controladores da Usiminas não chegaram a um nome em comum.

"Acredito que foi o efeito Steinbruch", disse uma terceira fonte, esta próxima da gestão da Usiminas, em referência ao presidente-executivo da CSN, Benjamin Steinbruch.

A CSN, principal acionista minoritária da Usiminas, conseguiu na quarta-feira autorização do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para indicar conselheiros para a Usiminas, em uma decisão contestada pela siderúrgica mineira e também pelos grupos Techint e Nippon Steel.

A discordância entre os sócios controladores da Usiminas explodiu em setembro de 2014, quando a Nippon Steel assumiu o comando da gestão da empresa brasileira em meio à demissão de altos executivos indicados pela Techint, incluindo o ex-presidente-executivo da siderúrgica.

Procuradas nesta quinta-feira sobre a nomeação do Conselho da Usiminas, a CSN e a Techint não comentaram o assunto. A Nippon Steel não comentou de imeadiato.

"É o primeiro sinal de que se voltou a ter um pouco de racionalidade... Desde setembro de 2014 não havia consenso", disse a primeira fonte ouvida pela Reuters. "Mas é uma aproximação, não é um casamento."

Caso os controladores da Usiminas não tivessem consenso em torno de um nome para a posição de chairman, um dos indicados pela CSN poderia ter sido eleito para chefiar o Conselho da siderúrgica.

Além dos dois conselheiros indicados pela CSN, o novo Conselho da Usiminas terá outra vaga de acionistas minoritários, que ficou com representante indicado pelo BTG Pactual, com apoio da massa falida do Banco Econômico. A Geração Futuro não conseguiu eleger representante no Conselho, disseram as fontes.

Os grupos Nippon Steel e Techint continuam com três vagas cada no colegiado, enquanto a Previdência Usiminas segue com uma cadeira e os empregados com outra.

Elias Brito é formado em Ciências Contábeis. O executivo, que já havia sido indicado pela Techint na assembleia do ano passado, é membro do conselho fiscal da petrolífera Petrorio e perito judicial contábil do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

A próxima reunião do Conselho da Usiminas, que será presidida por Brito, acontece em 12 de maio.

Segundo uma das fontes, com o acordo entre Nippon Steel e Techint nesta quinta-feira na eleição do Conselho, a tendência é que o presidente-executivo da Usiminas, Rômel Erwin de Souza, prossiga no cargo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos