ONU exige que governo sírio pare de bloquear entrega de ajuda

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O chefe de ações humanitárias da Organização das Nações Unidas (ONU) exigiu nesta sexta-feira que o governo sírio e os grupos militantes parem de interferir na entrega de alimentos e remédios para civis presos em áreas cercadas e de difícil acesso no país em guerra.

“O uso continuado do cerco e da fome como arma de guerra é condenável”, afirmou Stephen O’Brien, subsecretário-geral das Nações Unidas, ao Conselho de Segurança, composto por 15 países.

“Com base nas informações mais recentes, nós agora estimamos que cerca de 592,7 mil pessoas estão atualmente vivendo em áreas sob cerco”, afirmou ele, acrescentando que a maior parte desses locais estavam cercados por forças do governo.

A guerra civil de cinco anos na Síria já matou pelo menos 250 mil pessoas. Milhões tiveram que deixar as suas casas, e muitos desses são agora refugiados morando no exterior.

O'Brien declarou que o governo sírio e, numa proporção menor, os grupos militantes que lutam contra o governo e entre si interferem de forma deliberada e restringem a entrega de ajuda.

Ele reclamou que as Nações Unidas haviam pedido para enviar comboios de ajuda a 35 áreas sob cerco e de difícil acesso na Síria em maio, mas o governo somente garantiu acesso total a 14 e parcial a 8.

(Reportagem de Louis Charbonneau)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos