Após tentativa de golpe, Erdogan diz que Turquia pode discutir pena de morte

De Istambul

  • Huseyin Aldemir/Reuters

O presidente turco, Tayyip Erdogan, disse neste sábado (16) diante de uma multidão que pedia pela pena de morte -- após a tentativa de golpe por uma facção do serviço militar que matou pelo menos 161 pessoas durante a noite --, que tais exigências podem ser discutidas no Parlamento.

Aparentemente relaxado e sorridente, ocasionalmente cumprimentando os partidários em Istambul, Erdogan disse que a tentativa de golpe tinha sido realizada por uma minoria no exército.

"O exército é nosso, não aquela estrutura paralela. Eu sou o principal comandante", disse ele, referindo-se à rede de seu arqui-inimigo Fethullah Gulen, um clérigo que vive nos EUA e que ele acusa de fomentar a tentativa de golpe, além de tentativas anteriores para expulsá-lo.

(Reportagem de Asli Kandemir, Humeyra Pamuk e Ayla Jean Yackley)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos