Camboja proíbe Pokémon Go em museu do genocídio

PHNOM PENH (Reuters) - O Camboja baniu nesta quarta-feira o aplicativo Pokémon Go no ex-centro de tortura e prisão Khmer Rouge, após jogadores aparecerem no local, atualmente um museu do genocídio, procurando os personagens virtuais.

É o mais recente esforço para conter fãs do jogo, que foi considerado culpado por uma onda de acidentes e levou a alertas de segurança após jogadores que estavam grudados aos telefones tropeçarem, serem roubados ou entrarem em lugares perigosos.

"Temos guardas de prontidão; turistas segurando iPhones ou iPads e jogando este jogo serão convidado a se retirarem", disse o diretor do Museu do Genocídio de Tuol Sleng, Chhay Visoth, à Reuters. "Este é um local de pesar, não um lugar para jogos".

Alguns adolescentes do Camboja foram expulsos do local nesta quarta-feira, e o jogo foi proibido nos arredores do memorial ao genocídio dos campos de extermínio do Camboja.

(Por Prak Chan Thul)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos