Governador da Flórida reclama que governo dos EUA não faz o suficiente para combater Zika

CHICAGO/MIAMI (Reuters) - O governador da Flórida, Rick Scott, disse na quarta-feira que até agora o governo federal dos Estados Unidos ainda não entregou todos os exames para Zika e a assistência laboratorial que ele solicitou para o Estado, que vem lutando contra a disseminação do vírus.

A queixa foi feita diante de um quadro de aumento de casos de Zika em alguns dos destinos turísticos mais populares da Flórida e pressão dos moradores por mais informação. Ainda na quarta-feira, o Departamento de Saúde da Flórida relatou um segundo caso de Zika não relacionado a viagens no condado de Palm Beach, elevando para 43 o total de vítimas do Estado.

O fato ocorreu na esteira do anúncio de terça-feira sobre o primeiro caso estadual de Zika transmitido por mosquito no condado de Pinellas, cerca de 425 quilômetros distante de Miami, onde foram relatadas as primeiras ocorrências de transmissão local nos EUA.

Na semana passada, as autoridades de saúde alertaram as gestantes a não viajarem para Miami Beach depois que a Flórida confirmou que o Zika vírus, que é transmitido principalmente por mosquito, está ativo na localidade, o que faz dela a segunda área de Miami afetada depois de Wynwood.

O Zika vírus foi detectado pela primeira vez no Brasil no ano passado e desde então vem se disseminando pelas Américas. O Zika representa um risco para as gestantes porque pode causar defeitos de nascença graves e foi ligado a mais de 1.800 casos de microcefalia, uma má-formação craniana, no Brasil.

Em uma teleconferência na quarta-feira, Scott fez um apelo por mais apoio no combate ao Zika, queixando-se de que "o Congresso e a Casa Branca não vêm sendo bons parceiros".

O governador disse ter pedido cinco mil exames de anticorpos de Zika ao Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) na semana passada, mas que até o momento recebeu menos de 1.200. Ele também solicitou funcionários de assistência laboratorial adicionais para acelerar a realização dos exames.

Scott ainda disse ter pedido aos CDC dez mil kits de prevenção de Zika para gestantes que não foram entregues, e à Casa Branca um plano detalhado sobre como trabalhar com a Agência Federal de Administração de Emergências, o que afirmou tampouco ter sido providenciado.

O porta-voz dos CDC, Tom Skinner, disse que a agência vem respondendo às solicitações da Flórida.

"Os CDC vêm fornecendo e continuarão a fornecer apoio para a Flórida lidar com o surto de Zika. Fornecemos milhões (de dólares) em fundos federais, mobilizamos funcionários e enviamos materiais para exames e mais para exames futuros", disse Skinner em um e-mail.

(Por Julie Steenhuysen e Zachary Fagenson, em Miami; Reportagem adicional de Anna Driver, em Nova York)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos