Senadores governistas abrem mão de questionar testemunhas da defesa de Dilma

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - Senadores da base do governo do presidente interino Michel Temer anunciaram que abrem mão nesta sexta-feira de fazer perguntas às testemunhas convocadas pela defesa da presidente afastada Dilma Rousseff.

O segundo dia de julgamento do impeachment de Dilma é dedicado à oitiva das testemunhas da defesa, mas a primeira delas, o professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e doutor em economia Luiz Gonzaga Belluzzo, muito próximo da presidente, nem chegou a começar o seu depoimento.

A sessão foi suspensa após sucessivos bate-bocas entre senadores, tumulto que envolveu até mesmo o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que abandonou sua postura de isenção.

Os governistas têm pressa na conclusão do julgamento, já que Temer vai para a China na semana que vem para participar de cúpula do G20 e quer viajar já como presidente efetivo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos