Premiê em exercício da Espanha perde voto de confiança para formar governo

Por Jesús Aguado e Angus Berwick

MADRI (Reuters) - O primeiro-ministro em exercício da Espanha perdeu nesta quarta-feira um voto de confiança no Parlamento para obter um segundo mandato, depois de ele não ter conseguido apoio suficiente da oposição, deixando o país mais próximo da terceira eleição em um ano.

Mariano Rajoy, do Partido Popular (PP), de centro-direita, recebeu 170 votos favoráveis, ficando perto, como esperado, do mínimo necessário de 176 para formar um governo. Rajoy precisava do apoio dos socialistas, que votaram de forma unânime contra ele, para ganhar a maioria absoluta necessária.

A falta de um governo operacional na Espanha desde as eleições inconclusivas de junho e dezembro e o impasse político resultante paralisaram investimentos, e há sinais de que poderiam estar começando a limitar uma recuperação econômica forte.

O retorno dos títulos do governo aumentou de forma acentuada antes da votação, tendo um desempenho abaixo dos parceiros da zona do euro, uma vez que a possibilidade de mais meses de impasse político assustou investidores.

O novo partido liberal Ciudadanos votou a favor de Rajoy, assim como um pequeno partido da região das Ilhas Canárias. Os socialistas, a aliança contrária à austeridade Unidos Podemos e partidos regionais do País Basco e da Catalunha votaram contra.

Rajoy agora enfrenta uma segunda votação na sexta-feira na qual os representantes podem se abster e uma maioria simples seria suficiente para lhe permitir formar um governo de minoria liderado pelo PP. Ele precisaria apenas de 11 abstenções para ganhar essa segunda votação, mas uma derrota é provável, se os socialistas não cederem.

Se ele perder a votação de sexta, Rajoy terá dois meses para tentar formar um governo antes da convocação de uma nova eleição, que poderia cair no Dia de Natal.

O líder do Partido Socialista, Pedro Sánchez, diz que Rajoy tem a imagem afetada demais por uma longa série de escândalos de corrupção envolvendo o PP e pelas políticas de austeridade que o governo do PP implementou durante recessão profunda.

"O problema é que você não é uma pessoa confiável”, declarou Sánchez durante a maratona de discursos de dois dias dos líderes partidários antes da votação.

Nos discursos preliminares, Rajoy pediu aos socialistas para pelo menos se absterem para que a Espanha seja capaz de formar um governo e evitar uma terceira eleição. “Dada a situação em que estamos, depois de duas eleições e a ameaça de uma terceira, que vocês parecem querer, eu peço a vocês para se absterem”, afirmou Rajoy no Parlamento nesta quarta-feira.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos