Hillary coloca Trump na defensiva em debate acalorado

Por Steve Holland e John Whitesides

HEMPSTEAD, Nova York (Reuters) - A democrata Hillary Clinton acusou o republicano Donald Trump de ser racista, sexista e de sonegar impostos, colocando o adversário na defensiva durante um debate na noite de segunda-feira que pesquisas disseram ter fortalecido as chances da ex-senadora na disputa pela Casa Branca.

Trump, magnata do setor imobiliário que concorre a seu primeiro cargo público, disse que os longos anos de serviço de Hillary representaram uma "má experiência" de poucos resultados e que lhe falta vigor para atuar como comandante-em-chefe dos Estados Unidos.

Hillary estava sob pressão para mostrar um bom desempenho na esteira de uma pneumonia e uma queda nas pesquisas de opinião, mas seus muitos dias de preparação pareceram compensar em seu muito aguardado primeiro confronto de 90 minutos com Trump.

Trump, ex-apresentador de reality show que não dedicou muito tempo à prática de debates, se mostrou forte no início, mas pareceu se tornar repetitivo e mais indisciplinado à medida que a noite prosseguia diante de uma audiência televisiva que pode ter ultrapassado um recorde de 100 milhões de espectadores.

Uma pesquisa CNN/ORC feita logo após o evento mostrou que 62 por cento dos entrevistados sentiram que Hillary venceu e que 27 por cento acreditaram que Trump foi o vencedor.

Como sinal de que os investidores também enxergaram uma vitória de Hillary, as ações asiáticas se recuperaram de um nervosismo inicial. As chances da ex-primeira-dama na eleição de 8 de novembro também aumentaram nos mercados de aposta da internet.

"ÓTIMO DEBATE"

"Vocês estão bem hoje?", indagou Hillary a seus apoiadores após o evento. "Eu com certeza estou. Tivemos um ótimo debate".

Trump, de 70 anos, se declarou vencedor a repórteres presentes ao local do enfrentamento, e depois preferiu não comparecer a uma festa local na qual o debate foi assistido, que sua equipe havia deixado em aberto como uma possibilidade.

Hillary, de 68 anos, foi incansável na tentativa de questionar o temperamento, o tino comercial e o conhecimento de seu oponente. 

O bilionário usou a maior parte de seu tempo para argumentar que a ex-secretária de Estado conquistou pouca coisa na vida pública e quer levar adiante políticas iniciadas pelo presidente dos EUA, Barack Obama, que foram incapazes de salvar uma classe média arrasada, mencionando a perda de empregos devido a terceirizações e ao excesso de regulamentações.

Trump deu a entender que a rejeição da rival a um acordo comercial com países asiáticos não é sincera, e sustentou que a maneira como ela tratou de um acordo nuclear com o Irã e da militância do Estado Islâmico foi desastrosa.

Em uma das discussões mais acaloradas, Hillary acusou Trump de promulgar uma "mentira racista" ao insinuar que Obama, o primeiro presidente afro-americano do país, não nasceu nos Estados Unidos.

Obama, que nasceu no Havaí, divulgou uma certidão de nascimento detalhada em 2011 para encerrar o assunto, mas só neste mês Trump disse publicamente que acredita que o mandatário nasceu em solo norte-americano.

"Ele (Trump) iniciou sua atividade política baseado nesta mentira racista de que nosso primeiro presidente negro não é um cidadão norte-americano. Não havia absolutamente nenhum indício disso. Mas ele persistiu. Persistiu ano após ano", disse a democrata.

Trump repetiu sua acusação falsa de que a pré-campanha presidencial fracassada de Hillary em 2008 contra Obama deu início à polêmica sobre a nacionalidade de Obama.

"Ninguém estava insistindo nisso, ninguém estava dando muita bola para isso... fui eu que o fiz apresentar a certidão de nascimento, e acho que fiz um bom trabalho", afirmou Trump.

PROVOCAÇÃO

Tentando tirar o rival do sério e provocar uma erupção vulcânica, Hillary insinuou que Trump vem se recusando a divulgar sua declaração de imposto de renda para evitar mostrar a seus conterrâneos que não pagou quase nada em impostos federais ou que não é tão rico quanto diz ser.

"Deve ser algo realmente importante, até terrível, que ele está tentando esconder", disse ela.

Trump reagiu, dizendo que, como empresário, pagar impostos baixos é importante.

"Isso faz de mim uma pessoa esperta", disse. "Tenho uma renda enorme", afirmou ele em certo momento, acrescentando que está na hora de alguém que entende algo sobre dinheiro administrar o país.

Trump fungou alto em alguns momentos --um assistente de campanha disse que o candidato não está resfriado-- mas de forma geral se conteve. Ele disse que irá divulgar a documentação sobre seu imposto de renda depois de uma auditoria do governo.

Mas Hillary, a primeira mulher a conquistar a candidatura presidencial de um grande partido dos EUA, pareceu despertar a ira de Trump quando abordou os insultos passados do adversário às mulheres.

(Reportagem adicional de Amanda Becker, Ginger Gibson, Luciana Lopez, Roberta Rampton, Emily Stephenson, Alana Wise)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos