Trump e Hillary trocam ofensas pessoais em debate

Por Steve Holland e Emily Stephenson

ST. LOUIS (Reuters) - Em tom desafiador, Donald Trump disse que Hillary Clinton iria para prisão caso seja eleito presidente e atacou o marido da candidata pela forma como trata mulheres, em um debate intenso a pouco menos de um mês das eleições presidenciais norte-americanas.

O debate da noite de domingo, o segundo dos três que acontecem antes da eleição de 8 de novembro, foi memorável pela natureza brutal das ofensas trocadas entre Trump, candidato republicano, e Hillary, rival democrata.

Trump chamou Hillary de "diabo" que repete mentiras e uma pessoa com ódio no coração. Ela respondeu chamando-o de abusador de mulheres.

Houve um senso notável de desprezo mútuo assim que chegaram ao palco, à medida que se recusaram a apertar as mãos. Os moderadores Anderson Cooper, da CNN, e Martha Raddatz, da ABC, pareciam estar em posição para assistir dois trens colidirem.

Durante todo o embate, Trump, de 70 anos, e Hillary, de 68, trocaram farpas em meio a discórdias sobre impostos, planos de saúde, a política dos Estados Unidos na guerra civil da Síria e os comentários de Hillary de que metade dos apoiadores de Trump pertencem a um grupo de "deploráveis".

Trump subiu ao palco em St. Louis, no Missouri, no momento mais complicado de sua candidatura.

Revelado na sexta-feira, um vídeo de 2005 que mostra Trump fazendo comentários vulgares sobre mulheres provocou uma debandada de políticos republicanos.

Mesmo depois do debate, líderes partidários continuaram temerosos de que Trump não tenha exibido remorso suficiente a respeito dos comentários sexualmente agressivos para conquistar o voto de independentes e mulheres, que podem decidir a eleição.

Ele voltou a descrever suas declarações como "papo de vestiário" e disse que jamais beijou ou apalpou mulheres sem sua permissão, apesar de ter se vangloriado de tê-lo feito no vídeo que veio à tona na sexta-feira.

O ex-presidente norte-americano Bill Clinton fez coisa pior com as mulheres, afirmou o magnata em um de vários ataques pesados que podem reforçar sua popularidade com seus apoiadores mais fervorosos, que detestam a candidata democrata.

Hillary Clinton respondeu que os comentários de Trump mostram que ele é inadequado para a Casa Branca.

"Ele disse que o vídeo não representa quem ele é, mas acho que está claro para todos que o ouviram que representa exatamente quem ele é", disse a ex-primeira-dama.

Ela acusou Trump de fugir de uma discussão sobre políticas para evitar falar sobre sua campanha por causa "da maneira como a sua (campanha) está explodindo e os republicanos o estão abandonando".

Uma pesquisa relâmpago CNN/ORC com espectadores do debate revelou que 57 por cento destes acharam que Hillary venceu o confronto, contra 34 por cento que se inclinaram para Trump. O mercado de futuros de ações dos EUA e o peso mexicano tiveram alta, já que os mercados viram uma chance menor de uma vitória de Trump.

Logo no início do debate de 90 minutos, Trump disse que irá nomear um promotor especial para analisar a operação de um servidor de e-mails particular de sua adversária durante sua atuação como secretária de Estado do presidente dos EUA Barack Obama, entre 2009 e 2013.

Hillary disse: "Sabem, é bom demais que alguém com o temperamento de Donald Trump não esteja a cargo da lei neste país". Trump rebateu: "Porque você estaria na cadeia".

O próximo e último debate acontece no dia 19 de outubro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos