PUBLICIDADE
Topo

Síria chama decisão dos EUA sobre Golã de ataque à soberania nacional

Tanques israelenses se posicionam nas colinas do Golã, área anexada por Israel na fronteira com a Síria. O exército israelense realizou ataques contra posições do Irã e do Hezbollah em resposta ao disparo de foguetes contra suas forças na região. As colinas do Golã foram ocupadas por Israel em 1967, durante a Guerra dos Seis Dias - Menahem Kahana/AFP
Tanques israelenses se posicionam nas colinas do Golã, área anexada por Israel na fronteira com a Síria. O exército israelense realizou ataques contra posições do Irã e do Hezbollah em resposta ao disparo de foguetes contra suas forças na região. As colinas do Golã foram ocupadas por Israel em 1967, durante a Guerra dos Seis Dias Imagem: Menahem Kahana/AFP

Lisa Barrington

25/03/2019 15h54

A Síria chamou nesta segunda-feira a decisão dos Estados Unidos de reconhecer a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã de um "ataque gritante" contra sua soberania e integridade territorial, dizendo ter direito de reivindicar o território.

O presidente dos EUA, Donald Trump, assinou um decreto nesta segunda-feira dizendo que o país reconhece a soberania israelense sobre as Colinas de Golã, território que Israel tomou da Síria durante guerra em 1967.

"A liberação de Golã por todos os meios disponíveis e sua devolução à pátria síria é um direito inalienável", disse o Ministério de Relações Exteriores da Síria em comunicado divulgado pela agência de notícias Sana.

"A decisão torna os Estados Unidos o principal inimigo dos árabes".

O comunicado disse que nada irá mudar o "eterno fato histórico de que Golã foi e permanecerá sendo árabe sírio".