Topo

Rússia acusa EUA de perseguir cidadãos depois de Israel extraditar suposto hacker

Alexei Burkov (no centro, de camisa cinza) foi extraditado por Israel para os Estados Unidos - Andrei Shirokov/TASS/Getty Images
Alexei Burkov (no centro, de camisa cinza) foi extraditado por Israel para os Estados Unidos Imagem: Andrei Shirokov/TASS/Getty Images

13/11/2019 10h07

A Rússia acusou hoje os Estados Unidos de perseguirem seus cidadãos em todo o mundo. O país europeu disse que fez um protesto diplomático formal depois que Israel extraditou um russo aos Estados Unidos, onde ele enfrenta uma série de acusações graves por crime cibernético.

O Departamento de Justiça norte-americano disse em um comunicado emitido ontem que Alexei Burkov, de 29 anos, chegou aos EUA e compareceu a um tribunal pela primeira vez graças à cooperação de Israel, onde foi preso em 2015.

Burkov é acusado pela justiça norte-americana de vários crimes, incluindo fraude bancária, intromissões cibernéticas, roubo de identidade e lavagem de dinheiro. O russo, que nega as irregularidades, passou anos tentando impedir os esforços dos EUA para extraditá-lo. Caso ele seja considerado culpado, poderá passar décadas na prisão.

Burkov, que diz ser um especialista em segurança cibernética, é acusado de administrar um site chamado Cardplanet que vendia números de cartões de débito e crédito, muitos dos quais foram roubados através de invasões cibernéticas de cidadãos norte-americanos, afirma o Departamento de Justiça.

Os dados roubados de mais de 150 mil cartões de pagamentos resultaram em mais de 20 milhões de dólares em compras fraudulentas feitas nos EUA. O Departamento de Justiça também acusa Burkov de administrar um fórum na internet no qual criminosos cibernéticos de elite compravam e vendiam bens e serviços roubados.

A embaixada russa nos EUA repudiou sua extradição em um comunicado publicado em redes sociais.

"Em conexão com a extradição de Alexei Burkov de Israel para os Estados Unidos, a Rússia tomou ações decisivas sobre a 'caçada' desencadeada por Washington para cidadãos de todo o mundo. Nós estamos em contato com pessoas ligadas a Alexei e forneceremos toda ajuda e suporte necessários", escreveu a embaixada russa nos Estados Unidos em seu perfil no Twitter.

Internacional